Carros

Volkswagen investigará seu papel na ditadura militar brasileira

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A companhia alemã Volkswagen vai encarregar um historiador independente de analisar a atuação da montadora nas duas décadas de ditadura militar no Brasil. “Queremos esclarecer o período obscuro da ditadura militar (de 1964 a 1985), o comportamento dos encarregados (da companhia) no Brasil e, se houver correlação, na Alemanha”, informou a diretora jurídica do grupo, Christine Hohmann-Dennhardt, em comunicado.

Em setembro de 2015, ex-trabalhadores e ativistas processaram a Volkswagen no Brasil, acusando a empresa de ter permitido a perseguição e a tortura de trabalhadores que se opunham ao regime militar. Segundo a denúncia, doze trabalhadores foram presos e torturados na fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo, em São Paulo. Os reclamantes também acusaram a empresa de ter elaborado “listas negras” de opositores à ditadura militar.

“Vamos esclarecer o papel da empresa durante a ditadura militar no Brasil, com a perseverança e a coerência necessária, da mesma forma que fizemos, de forma rápida e completa, sobre assuntos do passado nazista e o uso de trabalho escravo”, acrescentou o comunicado. Para a tarefa, a companhia elegeu o historiador independente Christopher Kopper, um professor da Universidade de Bielefeld, da Alemanha.

Críticas de historiador

No mesmo comunicado, a montadora afirmou que, depois da recente saída de Manfred Grieger, busca um novo diretor para sua divisão de comunicação histórica. Grieger, historiador especialista em pesquisas sobre trabalhos forçados durante o nazismo, estava na Volkswagen há quase vinte anos. Ele deixou o grupo no fim de outubro.

Grieger criticou publicamente um estudo interno sobre o passado nazista da Audi, uma das unidades da Volkswagen, considerando que ele era incompleto e minimizava os fatos. Segundo a agência de notícias alemã DPA, sua saída estaria vinculada a uma insatisfação da direção por ele ter se pronunciado sem autorização nesse sentido.

Na última terça-feira, vários historiadores de renome na Alemanha acusaram a Volkswagen, em um artigo, de querer promover uma história tendenciosa de seu passado. Uma crítica que a marca nega, afirmando “lamentar a má interpretação da saída” de Grieger, em uma reação por escrito à qual a agência AFP teve acesso.

Grieger “não foi despedido nem forçado pela empresa a ir embora”, assegurou o grupo. “Ao longo dos anos e de maneira decidida e honesta, a Volkswagen jogou luz sobre a história da empresa e continuará fazendo isso”, acrescentou a companhia.

A pedra fundamental da fábrica de Wolfsburg, sede da Volkswagen, foi posta em 1938 por Adolf Hitler para cumprir o desejo do ditador, que ansiava pela criação de um carro popular. Foi o engenheiro alemão Ferdinand Porsche que inventou o modelo, que receberia o nome de Fusca.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a fabricante alemã recorreu ao trabalho escravo de prisioneiros de guerra e de detidos dos campos de concentração. Na tentativa de reparar alguns desses feitos, a empresa criou nos anos 1990 um fundo de indenização para os trabalhadores forçados e abriu seus arquivos a historiadores.