Esportes

Vitória sofre com bola aérea e perde de virada para o Atlético-PR

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Num jogo atípico, com duas viradas e que deu um lampejo de esperança à torcida, o Vitória voltou a decepcionar no Barradão e perdeu, por 3 a 2, para o Atlético-PR, na noite desta quinta-feira, 19.

Com isso, o Rubro-Negro baiano volta à 16ª posição na tabela, com 33 pontos, um a mais do que a Ponte Preta, primeiro time na zona do rebaixamento.

O próximo compromisso da equipe é contra o rival, no domingo, 22, na Fonte Nova, às 16h. Já o Atlético-PR encerrou um jejum de 13 anos sem vencer o Vitória em Salvador e conseguiu um salto na tabela: foi para a 9ª posição.

O jogo

Logo aos 3 minutos, a primeira pancada: o Atlético-PR abriu o marcador com gol de Ribamar – jogador que incomodaria bastante os donos da casa.

O atacante subiu sozinho em cobrança de escanteio e balançou a rede do goleiro Caíque, que na jogada anterior tinha defendido outra cabeçada do próprio Ribamar.

O Vitória demorou um pouco para se recompor do susto, e dominou a posse de bola. O problema é que não sabia o que fazer com ela: aos 21, passou dois minutos trocando passes na intermediária, sem avançar para a área.

A reação começou logo em seguida, quando Juninho foi derrubado na área por Jonathan e o juiz marcou pênalti. Neilton converteu e deixou tudo igual aos 23 minutos.

O gol fez o Vitória acordar e buscar mais o ataque, chegando muito perto de ampliar com jogadas de Wallace, que aos 30 minutos cabeceou no travessão, e aos 41, com uma bomba de Caíque Sá.

O Furacão foi perdendo volume de jogo e até chegou a incomodar a defesa do Vitória, mas saiu para o intervalo com 4 finalizações contra 11 da equipe dona da casa.

Segundo tempo maluco

Se o Atlético-PR começou assustando no início da primeira etapa, na segunda foi o Vitória que se antecipou para marcar: em bela arrancada, David deu um passe açucarado para Tréllez, bem posicionado na frente do goleiro Weverton, mandar virar o jogo aos 4 minutos.

À frente do placar, o Vitória cresceu e passou a atacar, avançando a marcação em demasia e deixando brechas na defesa.

A bem verdade, foram duas chances em que o Vitória conseguiu chegar na área nos dez minutos seguintes: em uma delas, Neilton mandou por cima do gol, e noutra, David foi desarmado na área ao tentar um drible.

Só que o Furacão se valeu de uma tática do próprio Vitória enquanto visitante e aplicou um contra-ataque mortal. Livre na área, Douglas Coutinho recebeu passe de Lucho e deixou tudo igual no placar.

Mancini resolveu fazer mudanças, e trouxe do banco Patric e André Lima no lugar de Fillipe Soutto. Só que as alterações não serviram ofensivamente e deixaram a defesa ainda mais exposta.

E o Furacão aproveitou, novamente com Ribamar, aos 33. O atacante deu uma cabeçada certeira no gol de Caíque, que ficou de espectador. Nervoso, o Leão tentou o empate no abafa, mas a zaga atenta do Atlético não permitiu.

Só que o Furacão se valeu de uma tática do próprio Vitória enquanto visitante e aplicou um contra-ataque mortal. Livre na área, Douglas Coutinho recebeu passe de Lucho e deixou tudo igual no placar.

Mancini resolveu fazer mudanças, e trouxe do banco Patric e André Lima no lugar de Fillipe Soutto. Só que as alterações não serviram ofensivamente e deixaram a defesa ainda mais exposta.

E o Furacão aproveitou, novamente com Ribamar, aos 33. O atacante deu uma cabeçada certeira no gol de Caíque, que ficou de espectador. Nervoso, o Leão tentou o empate no abafa, mas a zaga atenta do Atlético não permitiu.