Política

TRF-2 começa julgamento que pede aumento da pena do ex-governador Sérgio Cabral

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O Tribunal Regional Federal da Segunda Região (TRF-2) iniciou, por volta de 13h15, desta terça-feira (4), o julgamento da apelação do Ministério Público Federal (MPF), que pede o aumento da condenação do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB).

O processo em questão é o da Calicute, o primeiro da força-tarefa Lava Jato fluminense. Nele, Cabral foi condenado a 45 anos e 2 meses de prisão, mas os procuradores pedem o aumento da condenação.

Um deles, Rogério Nascimento, abriu a leitura do pedido dizendo que “corrupção mata” e que os desvios de verba pública ocorridos em meio à tragédia na Serra, por exemplo, em 2011, mostram a “insensibilidade de tiranos”.

São réus no processo também ex-secretários e a ex-primeira dama Adriana Ancelmo. O julgamento só deve acontecer na quarta-feira (5).

No pedido, o MPF quer:

  • aumento de pena por corrupção passiva e lavagem de dinheiro;
  • devolução de valores desviados para haver progressão de regime;
  • pena por cada um dos crimes de lavagem de dinheiro, e não pelo conjunto deles;
  • execução provisória da pena (ou seja, aqueles que foram condenados e respondem em liberdade poderiam ser presos após a decisão do TRF-2).