Bahia

Tesourômetro: painel na Ufba vai mostrar cortes no orçamento da Educação

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Equipamento será instalado na Reitoria como parte da programação do Congresso da Ufba, que começa segunda (16)

A Universidade Federal da Bahia (Ufba) ganhará um painel que monitora, em tempo real, os cortes no orçamento da ciência, tecnologia e educação no Brasil. A estreia do equipamento será na próxima segunda-feira (16), às 18h, no Palácio da Reitoria, no bairro do Canela, em Salvador, durante a programação do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão, que ocorrerá de 16 a 18 de outubro, na instituição. O “tesourômetro” é fruto de uma parceria da Ufba com a Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC).

O contador estima as perdas a partir das previsões de cortes no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), das universidades federais e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), e faz um cálculo dos cortes desde 2015. O valor já chega ao acumulado de R$ 12 bilhões e cresce cerca de R$ 500 mil por hora.

O tesourômetro faz parte da campanha “Conhecimento Sem Cortes”, promovida por cientistas, estudantes, professores, pesquisadores e técnicos. Outras instituições públicas, como a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) já ganharam o equipamento. A campanha conta também com uma petição online, que já registra mais de 80 mil assinaturas.

Na Ufba, a ação é coordenada pela reitoria, o Sindicato dos Professores das Instituições Federais de Ensino Superior da Bahia (Apub), o Sindicato dos Trabalhadores Técnico-administrativos em Educação das Universidades Públicas Federais no Estado da Bahia (Assufba) e o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da universidade.

Só em 2017, a retenção do orçamento realizada pelo governo federal na Ufba já chega a R$ 20,5 milhões. De acordo com o reitor João Carlos Salles, desse valor, R$ 15,8 milhões são do orçamento previsto para custeio, e caso não seja liberado, a universidade poderá iniciar o ano com dificuldades para pagar despesas como energia e água, além de limpeza e manutenção dos campi.