Política

‘Tem batom na cueca’, diz Dilma sobre Moro ser ministro

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A ex-presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira (19.nov.2018) que a escolha de Sérgio Moro para o Ministério de Justiça e Segurança Pública do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), é prova de “batom na cueca“.

A gente pode escolher entre duas metáforas: ou o rei, no caso o juiz, está nu, ou, como dizemos no Brasil, tem ‘batom na cueca’“, disse a ex-presidente em discurso no 1º Foro Mundial do Pensamento Crítico, realizado pela CLACSO (Conselho Latino-americano de Ciências Sociais), em Buenos Aires, na Argentina.

Para Dilma, o fato de o militar optar pelo responsável por processos em 1ª instância da operação Lava Jato no Paraná representa o uso da Justiça para “condenar, perseguir e interditar“.

O evento, que começou no último sábado (17.nov.), reúne diversas personalidades identificadas com a esquerda política da região, como os ex-presidentes do Uruguai, José Mujica, e da Argentina, Cristina Kirchner.

A petista foi recebida pela platéia com gritos de ‘Lula Livre’.

“Variante liberal de neofascismo”

O discurso de Dilma durou cerca de 50 minutos. A petista fez considerações sobre o momento político brasileiro, a situação da Argentina, a prisão do ex-presidente Lula, o papel da Justiça e da Lava Jato a eleição de Jair Bolsonaro (PSL).

Para a ex-presidente, a eleição do militar fez o Brasil sair de uma “democracia pra entrar na variante liberal de 1 neofascismo“,  que classificou como “1 regime de exceção diferente das ditaduras militares que conhecemos“.

Dilma também argumentou que a vitória do militar na reserva decorreu de uma omissão do Brasil durante o período de transição democrática em julgar o que considerou 1 “terrorismo de Estado” praticado durante o regime militar.

Era inimaginável, no Brasil, que a extrema direita ganhasse 1 processo eleitoral‘ afirmou.

A petista afirmou ainda, que a impugnação da candidatura de Lula, “contra quem não há provas, mas delações absolutamente frágeis”, como uma das razões para a vitória de Bolsonaro.

Na 3ª feira (20.nov.), é aguardado 1 discurso de Fernando Haddad (PT) e Manuela d’Ávila (PC do B), candidatos a presidente e vice-presidente da chapa derrotada no 2º turno das eleições de 2018.