Destaque

‘Super-Terra’ é descoberta a apenas 39 anos-luz do Sol

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Uma nova “super-Terra” foi descoberta por cientistas, aponta um estudo publicado nesta quarta-feira na revista Nature. O planeta, batizado de LHS 1140b, tem composição rochosa e orbita uma estrela anã-vermelha próxima do nosso sistema solar, a 39 anos-luz (cada ano-luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros) do Sol – o que, em termos cósmicos, é considerado relativamente perto.

Com uma massa 6,6 vezes maior do que a da Terra, LHS 1140b está localizado dentro da zona considerada “habitável” de sua estrela, o que significa, segundo os cientistas, que pode existir água líquida em sua superfície. Isso porque o astro central, LHS 1140, é uma estrela fraca, avermelhada e pequena, com apenas 60% da massa do Sol. Assim, ela não expõe o exoplaneta – chamado assim porque fica fora do nosso sistema solar – a uma radiação solar tão intensa.

Utilizando telescópios para fazer medições em LHS 1140b, os pesquisadores descobriram que ele guarda algumas semelhanças com o nosso planeta. Apesar de seu raio ser 1,4 vezes maior do que o da Terra, assim como ela, o corpo celeste apresenta uma composição rochosa e provavelmente foi formado em sua localização atual, sofrendo pouco ou nenhum deslocamento desde então. Os autores do estudo chegaram a essa conclusão porque a órbita do exoplaneta, que tem uma trajetória circular, não passou por alterações significativas desde que ele surgiu.

Além disso, a equipe de cientistas também afirma que, por orbitar uma estrela pequena e bem próxima da Terra, telescópios atuais seriam capazes de identificar gases específicos na atmosfera do astro – se ela existir. “Atmosferas de planetas do tamanho da Terra são acessíveis para serem observadas por meio de espectroscopia de transmissão quando eles passam em frente a essas estrelas”, escrevem os autores no artigo.

Os cientistas ressaltam, no entanto, que estudos mais aprofundados são necessários para descobrir informações precisas sobre a órbita do exoplaneta, determinando suas características climáticas e se ele pode ser habitável ou não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.