Notícias

Segurança que matou jovem em mercado foi condenado por agressão a ex-companheira

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

‘Fantástico’ descobriu que Davi Amâncio não poderia estar trabalhando como vigilante.

O segurança Davi Amâncio, que matou o jovem Pedro Henrique Gonzaga, no supermercado Extra na quinta-feira (14), não poderia estar trabalhando como vigilante. Segundo o “Fantástico” apurou, Davi já foi condenado a três meses de prisão em regime aberto por lesão corporal depois de agredir uma ex-companheira.

Segundo relato da mulher, após uma discussão por ciúmes, ele a agrediu com vários socos no rosto na frente dos seus filhos.

Pela lei, a condenação de Davi o impede de trabalhar como vigilante. Ele fez o curso de vigilante em maio de 2017 e foi contratado em dezembro do mesmo ano. A condenação pela agressão saiu dias depois da contratação.

Segundo a Polícia Federal, a documentação de Davi seria revista no curso de reciclagem previsto para maio de 2019. A PF afirma que não tem como saber que algum vigilante foi condenado neste intervalo.

O advogado da empresa de segurança Groupe Protection diz que a checagem da ficha criminal é uma responsabilidade da Polícia Federal. “Quem tem a atribuição legal de normatizar todo o processo de formação e posteriormente manter a reciclagem desses indivíduos e monitorar se ele está habilitado ou não, apto ou não, é de atribuição da Polícia Federal”, disse André França.

França diz ainda que Davi permanece na empresa, mas foi afastado enquanto a investigação apura o que aconteceu.

Davi foi solto depois de pagar fiança de R$ 10 mil e deve responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A polícia tem 30 dias para concluir a investigação.

Protestos pelo país

Neste domingo (17), manifestantes no Rio de Janeiro, São Paulo e Pernambuco se reuniram em lojas da rede de supermercados para atos repudiando a morte de Pedro Henrique.

No Rio, cartazes com dizeres como “Vidas negras importam” e “Minha cor não é um crime” foram colados na grade de proteção do local.

Homens se deitam no chão durante protesto — Foto: Matheus Rodrigues/G1

Homens se deitam no chão durante protesto — Foto: Matheus Rodrigues/G1

Confusão antes do crime

Na sexta (15), a TV Globo teve acesso a imagens de câmeras de segurança do supermercado que mostram o início da confusão que terminou com a morte do rapaz.

O vídeo mostra Pedro correndo em direção ao vigilante, que está parado junto a outro funcionário do supermercado próximo à entrada do estabelecimento. Eles parecem conversar por alguns instantes e uma mulher se aproxima. Em seguida, Pedro Henrique cai no chão.

O funcionário do estabelecimento e o segurança levantam o rapaz, mas a confusão continua e ele cai uma segunda vez. Em outro vídeo compartilhado em redes sociais é possível ver o jovem sendo imobilizado. Bombeiros ainda tentaram reanimar Pedro Henrique, mas o jovem não resistiu.

Segurança deita sobre Pedro Henrique em supermercado — Foto: Reprodução/Redes sociais

Segurança deita sobre Pedro Henrique em supermercado — Foto: Reprodução/Redes sociais

Família em silêncio

O corpo de Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, foi enterrado no sábado (16) no Cemitério Jardim da Saudade, em Paciência, na Zona Oeste do Rio. Muito abalada, a mãe dele não foi ao enterro e familiares que estiveram na cerimônia preferiram não conversar com a imprensa.

Parentes e pessoas próximas contaram que a vítima tinha um filho pequeno, de apenas oito meses.

Segurança alega defesa

O segurança Davi Amâncio disse em depoimento à polícia que Pedro Henrique estava nervoso e ameaçava matar todos que estavam no local. Na declaração, o segurança alega que o rapaz falava repetidamente: “Vou matar! Vou matar!”.

O vigilante afirmou em depoimento não ter apertado Pedro pelo pescoço e disse que “permaneceu apenas com seu peso por cima da vítima”.

“Eles fazem a contenção, retiram a arma e o garoto desmaia. O que se acredita que tenha sido uma simulação naquele momento. O próprio segurança reporta. ‘Ele está mentindo, ele está mentindo, ele está simulando um desmaio como anteriormente havia simulado'”, diz a defesa.

Extra diz repudiar atos de violência

Em nota, a rede de supermercados Extra informou “que não aceita qualquer ato de violência, excessos e repudia toda forma de racismo”.

Também no texto diz que “não vai se eximir das responsabilidades diante ocorrido” e que tem “interesse em esclarecer a situação o mais rápido possível”. “Estamos colaborando com as autoridades fornecendo todas as informações disponíveis”, informa a nota.

O Extra também afirmou que “os seguranças envolvidos na morte do jovem foram imediatamente e definitivamente afastados” e “a companhia instaurou uma sindicância interna e acompanha junto à empresa de segurança e aos órgãos competentes o andamento das investigações”.

“Nada justifica a perda de uma vida. A companhia se solidariza com os familiares de Pedro Henrique de Oliveira Gonzaga nesse momento de dor e de tristeza”, diz a manifestação.

Pedro Henrique em foto nas redes sociais  — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Pedro Henrique em foto nas redes sociais — Foto: Reprodução/Redes Sociais