Política

Relator vota pela aceitação de denúncia contra Temer; entenda peso da decisão

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O deputado federal Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), relator do processo sobre Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, se posicionou nesta segunda-feira a favor do prosseguimento da ação contra o presidente.

Zveiter avaliou que o pedido da Procuradoria Geral da República para que Temer seja julgado no STF (Supremo Tribunal Federal) por corrupção é válido – decisão que amplia a pressão sobre o presidente, mas ainda pode ser revertida.

Em seu relatório, Zveiter afirma que a delação da JBS apresentou “indícios suficientes” que justificam que a ação avance.

 

“Não é fantasiosa a acusação; é o que temos e deve ser apurada”, afirmou.

Segundo Zveiter, o encontro entre Temer e o empresário Joesley Batista, em março, trouxe à tona “sólidos indícios” de que o presidente tenha cometido delitos. A gravação do encontro foi entregue pelo dono da JBS à Procuradoria como parte de seu acordo de delação premiada.

O deputado afirmou, porém, que sua decisão não implica a condenação do presidente, mas sim o prosseguimento da ação para que a verdade seja conhecida e que ele possa se defender.

Concluída a leitura do relatório, deputados da CCJ debaterão seu conteúdo a partir da quarta-feira.

Cada um dos 66 membros da comissão poderá falar por até 15 minutos. Mas o governo tenta acelerar a análise, para que a Câmara vote antes do recesso parlamentar, que vai de 18 a 31 de julho.

O Palácio do Planalto avalia que a demora para concluir a votação desgasta ainda mais Temer e reduz suas chances de êxito.

Por enquanto, segundo um levantamento do jornal O Globo, 21 deputados da CCJ disseram que votarão pela aceitação da ação contra Temer, e dez afirmaram que se manifestarão contra. Outros 35 deputados se disseram indecisos ou não responderam.

O resultado da votação na CCJ será definido por maioria simples.

Partido dividido

O relatório de Zveiter representa uma importante derrota para o governo – vários deputados avaliam que o texto influenciará a decisão final da Casa.

O parecer dificulta ainda a tarefa de Temer ao demonstrar que nem mesmo seu partido, o PMDB, está unido em torno de sua permanência.

Muitos parlamentares peemedebistas têm sinalizado que podem abandonar Temer à medida que surjam novas denúncias contra o alto escalão do governo.

O baixo índice de aprovação do presidente – 7%, segundo a última pesquisa do Datafolha – também estimula as deserções.

Nas últimas semanas, um dos mais influentes congressistas da legenda do presidente, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), passou a defender abertamente a saída de Temer.

A postura fez com que o PMDB o retirasse da liderança do partido no Senado, mas pode encorajar outros congressistas da sigla a seguir o mesmo caminho.

Joesley Batista: Delação de Joesley Batista é base de ação contra o presidente© Reuters Delação de Joesley Batista é base de ação contra o presidente

Trocas na comissão

O relatório contrário a Temer também deve reforçar a movimentação entre partidos da base para substituir membros da comissão que possam votar contra o presidente.

Embora a votação na CCJ não seja definitiva, muitos deputados acreditam que seu resultado será referendado pelo plenário.

Por isso, o governo tem redobrado os esforços na comissão.

Em entrevista à BBC Brasil em junho, o vice-líder do PMDB na Câmara Darcísio Perondi disse que o Planalto usaria “todas as armas” para vencer a votação, o que incluía substituir membros na CCJ.

As substituições foram criticadas nesta segunda por alguns deputados removidos da comissão por seus partidos.

Perondi afirmou que o governo também poderia demitir indicados políticos de deputados rebeldes e direcionar recursos para Estados cujas bancadas apoiassem o presidente.

A própria escolha de Zveiter como relator foi um mau sinal para o governo.

Auxiliares do presidente tentavam emplacar algum deputado mais próximo do governo – caso do deputado ruralista Alceu Moreira (PMDB-RJ) -, mas o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), optou por um nome mais neutro.

Próximos passos

Após o debate na CCJ, os deputados votarão o relatório. Se o governo obtiver a maioria dos votos, será elaborado um novo parecer que represente a posição vitoriosa.

Este documento será então levado ao plenário da Câmara.

Para que a denúncia contra o presidente avance, são necessários os votos de 342 deputados (dois terços da Casa).

Temer barra a iniciativa se a soma de abstenções e votos a seu favor alcançar 172.

Se a Câmara votar pela aceitação da denúncia e o STF resolver julgar Temer, ele será afastado por até seis meses, prazo para a conclusão do julgamento.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), assumiria nesse período e teria de convocar eleições indiretas caso o STF condene o presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.