Notícias

Quem deve investigar a morte de Marielle Franco?

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

São Paulo – As condições do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista, Anderson Gomes, colocaram em alerta de autoridades dentro e fora do Brasil sobre a possibilidade de um crime político. Para especialistas, os indícios de execução parecem claros. A questão a ser respondida é: quem os matou e por quê?

Por ora, as investigações do crime estão sendo conduzidas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Mas a Procuradoria-Geral da República já avalia se, a depender das circunstâncias, será necessário federalizar a apuração — ou seja, requerer que a condução do caso seja transferido para a Polícia Federal e Ministério Público Federal.

Nesta sexta, a procuradora-geral da República afirmou que espera que não seja necessário adotar essa medida.

Para entender o que está em jogo no debate sobre quem deve investigar a morte de Marielle, EXAME consultou o jurista Oscar Vilhena, professor de Direito Constitucional da FGV Direito de São Paulo. Entenda:

Qual órgão tem a competência para conduzir a investigação do caso?

De acordo com a Constituição Federal de 1988, a investigação de crimes comuns é de responsabilidade dos estados por meio da Polícia Civil e do Ministério Público Federal, e o julgamento acontece na Justiça Estadual.

Dessa forma, neste momento, a apuração do assassinato de Marielle e de seu motorista está sendo liderada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, com a cooperação da Polícia Federal. A Procuradoria-Geral da República, no entanto, estuda pedir a federalização do caso.

O que significa federalizar a investigação da morte de Marielle?

A Emenda à Constituição 45 de 2004 criou o mecanismo chamado tecnicamente de “incidente de deslocamento de competência” (IDC), que permite federalizar a apuração de crimes contra direitos humanos — em outros termos, autoriza a Polícia Federal e o Ministério Público Federal a conduzir a investigação, cujo caso passa, então, a tramitar na Justiça Federal.

Para federalizar uma investigação, é preciso que a Procuradoria-Geral da República ingresse com um pedido no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que pode acolher ou não a medida.

Até 2014, data do último levantamento do Ministério da Justiça sobre o assunto, o dispositivo foi requerido em quatro ocasiões. O STJ aprovou apenas dois. Um dos pedidos rejeitados estava relacionado ao caso do assassinato da morte da missionária americana e ativista Dorothy Stang, no Pará, em 2005.

Todo crime com repercussão em direitos humanos deve ser federalizado?

Não. De acordo com Vilhena, para que os órgãos federais possam assumir o caso, é preciso estar comprovado que o estado não tem condições de conduzir as investigações.

“Há deslocamento de competência para a esfera federal quando for constatado que as autoridades estaduais não têm condições de investigar ou por não ter força, ou por estarem envolvidas e terem perdido a imparcialidade ou quando há um risco para o julgamento”, afirma o professor da FGV Direito SP.

Qual o objetivo da investigação preliminar aberta pela PGR?

Na quinta-feira (15), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, abriu uma investigação preliminar para avaliar a necessidade de federalizar a apuração da morte de Marielle.

A ideia, nesse caso, segundo Vilhena, é checar se as autoridades estaduais estão aptas para conduzir o caso. Segundo uma pessoa próxima à Dodge revelou ao Estadão, a intenção é acompanhar as investigações e, em caso de eventuais falhas, pedir ao STJ para que a investigação seja repassada para a esfera federal.

Por que a PGR autorizou a PF a fazer diligências sobre o caso?

Por conta disso, ao anunciar o procedimento preliminar, Dodge autorizou a Polícia Federal a fazer as diligências necessárias desde que respeitados os limites de competência. Nesse caso, diz Vilhena, será uma apuração das condições da investigação estadual e não uma apuração do caso em si.