Brasil

Quatro políticos baianos são incluídos na lista de Janot

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A lista de pedidos de inquérito enviados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, nesta terça-feira, 14, ao Supremo Tribunal Federal (STF) com base nas delações da Odebrecht inclui o ministro Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), cinco governadores e quatro baianos (a senadora Lídice da Mata (PSB), os deputados federais Lúcio Vieira Lima (PMDB) e José Carlos Aleluia (DEM) e o ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), segundo revelou o Jornal Nacional, da Rede Globo.

Em fevereiro, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que delatores da empreiteira informaram os investigadores que Pereira negociou um repasse de R$ 7 milhões do caixa 2 da Odebrecht para o PRB na campanha de 2014. Os recursos compraram apoio do partido, então presidido por Pereira, para a campanha à reeleição da chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer.

O Jornal Nacional também relevou outros 21 nomes, além de Pereira. Serão alvo de investigação os governadores de Alagoas, Renan Filho (PMDB); do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB); de Minas, Fernando Pimentel (PT); do Acre, Tião Viana (PT); e do Paraná, Beto Richa (PSDB). As investigações de governadores precisam ser enviadas para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), que tem competência para investigar chefes do executivo estadual

De acordo com o jornal da Rede Globo, estão na lista de investigados ainda os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Jorge Viana (PT-AC), Marta Suplicy (PMDB-SP) e Lídice da Mata (PSB-BA). Na Câmara, são alvo de pedidos de abertura de inquérito Marco Maia (PT-RS), Andrés Sanchez (PT-SP), Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), José Carlos Aleluia (DEM-BA) e Paes Landim (PTB-PI).

Serão investigados em outras instâncias por não terem foro no STF nem no STJ o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB), os ex-ministros Geddel Vieira Lima e Edinho Silva, o ex-assessor da presidência Anderson Dorneles, e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

Conforme o Estado publicou nesta quarta-feira, há pedidos de investigação para outros cinco ministros das 29 pastas da gestão Temer. São eles Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil, Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Kassab (PSD), das Comunicações, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), das Relações Exteriores.

Todos os pedidos devem ser analisados pelo ministro do Supremo Edson Fachin.

Alvos da lista

Ministro

Marcos Pereira (PRB), Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Governadores

Renan Filho (PMDB), de Alagoas. Ele informou que as doações recebidas foram dentro da lei.

Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio de Janeiro. Informou que desconhece o teor do pedido e está à disposição da Justiça.

Fernando Pimentel (PT), de Minas Gerais. O petista não se manifestou.

Tião Viana (PT), do Acre. O governador não se manifestou.

Beto Richa (PSDB), do Paraná. O tucano disse desconhecer o contexto da citação a seu nome.

Senadores

Lindbergh Farias (PT-RJ). Petista afirmou que a investigação vai esclarecer os fatos. Ele negou irregularidades.

Jorge Viana (PT-AC)

Marta Suplicy (PMDB-SP)

Lídice da Mata (PSB-BA). A senadora afirmou que “tudo será esclarecido” após as investigações.

Deputados

Marco Maia (PT-RS). Petista afirmou desconhecer o teor do pedido de Janot e disse repudiar a divulgação “seletiva”.

Andres Sanchez (PT-SP). O deputado negou participação em irregularidades.

Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). O peemedebista não se manifestou sobre o pedido de Janot.

José Carlos Aleluia (DEM-BA)

Paes Landim (PTB-PI). O parlamentar afirmou que as todas as doações que recebeu foram legais e que teve as contas aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Prefeitos

Duarte Nogueira (PSDB-SP), prefeito de Ribeirão Preto

Edinho Silva (PT-SP), prefeito de Araraquara. O ex-tesoureiro petista afirmou que sua conduta foi dentro da legalidade.

Outros

Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-ministro do governo Temer. Geddel não se manifestou sobre o pedido da Procuradoria-Geral da República.

Sérgio Cabral (PMDB-RJ), ex-governador do Rio. O peemedebista informou que só vai se manifestar após ser notificado oficialmente.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara. O deputado cassado afirmou que as delações premiadas da Operação Lava Jato não têm se amparado em provas.

Paulo Skaf (PMDB-SP), presidente da Fiesp e candidato a governador de São Paulo em 2014. Skaf disse que todas as doações recebidas por sua campanha foram legais.

Anderson Dornelles, ex-assessor da ex-presidente Dilma Rousseff. Dornelles não foi localizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.