Política

‘Quanto mais eu vou… mais complica a vida dele’, diz Odebrecht sobre Lula

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O empresário Marcelo Odebrecht afirmou nesta quarta-feira, 11, à Justiça Federal que quanto mais analisa e envia para os investigadores da Operação Lava Jato seus e-mails recuperados, “mais complica” a vida do ex-presidente. Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado, em Curitiba, desde o dia 7.

Odebrecht foi ouvido como colaborador no processo em que é réu com Lula, acusados de corrupção e lavagem de dinheiro na compra de um terreno que abrigaria o Instituto Lula, em São Paulo, em 2010, no valor de R$ 12,5 milhões. O empresário confessou que era propina da conta geral do PT, de R$ 200 milhões, e disse que os e-mails confirmam caixa 2 no negócio e o envolvimento de amigos do petista na negociação.

Ao responder questionamentos da defesa de Lula, que reclamou do juiz federal Sérgio Moro que supostamente não teria lhe dado acesso a íntegra dos documentos, Odebrecht disse que já “recuperou 3 mil e-mails”, parte deles – pelo menos 54 – para esse processo da propina no terreno do Instituto e do apartamento de São Bernardo do Campo (SP), próxima ação penal da Lava Jato a ser julgada contra o ex-presidente.

Zanin afirmou que não teve acesso ao conteúdo integral dos e-mails e disse que só o questionaria em relação àqueles que o empresário selecionou, quando foi interrompido pelo delator.

“Eu já devo ter encaminhado mais de 3 mil e-mails, entendeu? Eu digo para o senhor o seguinte: é melhor para a defesa do Lula fique com os e-mails, porque quanto mais eu vou… mais complica a vida dele”, afirmou Odebrecht.

Aliados. Em fase de conclusão, o processo deve entrar agora em alegações finais, etapa em que a defesa vai fazer pedir a absolvição e o Ministério Público Federal sua manifestação final pela condenação, para que Moro comece a julgar o caso.

Condenado a 12 anos e 1 mês de prisão em segunda instância no caso triplex do Guarujá – que envolve R$ 3,2 milhões de propina da OAS -, o ex-presidente está preso desde sábado, 7, em uma “cela” especial na sede da Polícia Federal, na capital paranaense.

Odebrecht passou parte de sua pena em regime fechado – que agora cumpre em casa – na carceragem da PF em Curitiba.

Como delator, tem entregue mensagens de e-mail com análises de conteúdo para os processos da Lava Jato, que corroborariam sua delação premiada. Nela, confessou ter comprado o imóvel, por intermédio da DAG Construtora, para dar a Lula, após acerto com o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente com livre acesso ao Planalto, durante os governos, e o advogado e compadre Roberto Teixeira – também réu nessa ação.

Odebrecht reforçou no depoimento que Teixeira e Bumlai teriam sido os principais negociadores da compra do terreno. “Era um pacote fechado”, disse o delator sobre o envolvimento dos dois. Teixeira é sogro do advogado de Lula, Cristiano Martins.

“Eu avisei a (José Carlos) Bumlai e tinha avisado também Paulo Okamoto (presidente do Instituto) que eu não faria nada sem autorização do ‘Italiano’, em outros e-mails fica evidente isso. Porque o dinheiro ia sair da conta do ‘Italiano'”, afirmou Odebrecht.

“Italiano” era o codinome do ex-ministro Antonio Palocci (governos Lula e Dilma Rousseff), que gerenciou um caixa de R$ 200 milhões, conforme ele mesmo confessou em juízo, colocado à disposição pela empresa à Lula, decorrente do acerto entre ele e o patriarca do grupo, Emílio Odebrecht – também delator. Internamente o empresário disse que não tratavam como “conta Italiano” – “isso veio com a Lava Jato”.

“Era a conta do PT, assim que a gente chamava.”

Arquivos. As mensagens, segundo o delator, foram trocadas à partir de julho de 2010 e foram intensificadas em setembro e tem registros do ‘Drousys’ – sistema de informática para comunicação do setor de propinas da empreiteira – e o ‘MyWebDay’ – software desenvolvido pela empreiteira para gerenciar contabilidade paralela.

Confirmou, por exemplo, e-mail de 7 de julho de 2010 e conversas com o executivo do grupo Paulo Mello e Bumlai, que trataram da forma de pagamento. Pelo menos R$ 3 milhões saíram do Setor de Operações Estruturadas, o departamento da propina da Odebrecht.

O empresário apontou que o envolvimento de Marcos Grillo, identificado nos e-mails nas tratativas, confirma que o negócio envolvia caixa-2. “Marcos Grillo era quem gerava o caixa-2.”

Outro e-mail destacado de 9 de setembro de 2010, Odebrecht afirma: “Eh uma conta que HS mantem e debita a 3 fontes distintas”.

“As coisas eram conduzidas de forma meio irresponsável”, disse Odebrecht

Discussão. A audiência iniciou com uma discussão entre Moro e a defesa de Lula. O advogado Cristiano Martins. defensor, questionou o magistrado quando ele abria a sessão e informava que designou a oitiva adicional a pedido da defesa e foi interrompido: “Se a audiência é para fazer uma verificação em relação aos e-mails, a defesa ficou prejudicada porque não teve acesso….”

“Não doutor, a defesa apresentou perguntas específicas em relação as mensagens que foram já juntadas no processo. Essa audiência foi marcada a pedido da defesa”, interrompeu Moro.

“Não, não é isso.”

“E em relação às mensagens que estão nos autos. Então a audiência vai ser realizada”, prosseguiu o juiz.

“Me permita concluir, vossa excelência, Na verdade há um erro factual. A audiência não foi requerida pela defesa. Requeremos a verificação da autentificação”, disse o advogado de Lula.

O juiz ressaltou que “expressamente a defesa juntou perguntas e pediu que fossem respondidas pelo senhor Marcelo Odebrecht”. “Logo, a audiência foi marcada, e nós estamos aqui a pedido da defesa.”

“Insisto que não houve esse pedido”, retrucou Martins.

“Então não querem fazer as perguntas ao senhor Marcelo Odebrecht, é isso?”, questionou Moro.

“Não, não tenho perguntas, porque não tive acesso…”

“Acho que é um pouco brincadeira da defesa, porque a defesa apresenta uma petição com questões escritas, dirigidas ao senhor Marcelo Odebrecht pedindo que sejam respondidas. Aí o juízo… a pessoas, quando é acusada, ela é ouvida oralmente no processo”, reclamou o juiz.

“Eu vou prosseguir a audiência.”