Notícias

Poluição mata mais de 100 mil pessoas por ano no Brasil, diz relatório

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Estudo mostra que uma em cada seis mortes no mundo em 2015 está ligada à poluição; a maior parte das mortes ocorreu em países de renda média e baixa

A poluição matou 101.739 pessoas no Brasil em 2015, o que equivale a 7,49% do total de mortes no país durante o período

Essa é a conclusão de um relatório publicado pela revista científica The Lancet .

De acordo com o estudo, a poluição do ar foi a grande vilã, sendo responsável pela maior parte dos óbitos (70.685).

Em seguida, vem a poluição no ambiente de trabalho – como fumo passivo, atribuída a 18.512 mortes, da água (15.315) e do solo (10.592).

O Brasil ficou na 148ª posição do ranking de países com maior proporção de mortes relacionadas à poluição, atrás de outras nações da América do Sul, como Uruguai, Chile e Equador.

No total, foram analisados 188 países.

Uma em cada seis mortes no mundo

De acordo com o relatório, a poluição foi responsável por uma a cada seis mortes registradas em todo o mundo em 2015, totalizando cerca de 9 milhões de óbitos.

Poluição na Baía de Guanabara em Niterói, Rio de Janeiro
Poluição na Baía de Guanabara em Niterói, Rio de Janeiro

Foto: BBCBrasil.com

Bangladesh, na Ásia, e Somália, na África, foram os países mais afetados. Já Brunei, no sudeste asiático, e Suécia, na Europa, apresentaram o menor número de mortes relacionadas à poluição.

Segundo o estudo, a poluição do ar teve o maior impacto, representando dois terços dos óbitos.

maioria das mortes foi causada por doenças não infecciosas ligadas à poluição, como enfarto, derrame e câncer de pulmão.

Gráfico mostra dez países com maior proporção de mortes por poluição
Gráfico mostra dez países com maior proporção de mortes por poluição

Foto: BBCBrasil.com

“A poluição é muito mais do que um desafio ambiental; é uma ameaça profunda e generalizada que afeta muitos aspectos da saúde humana e do bem-estar”, diz Philip Landrigan, da Escola Icahn de Medicina do Hospital Monte Sinai, em Nova York, um dos autores do estudo.

Principal fator de risco, a poluição do ar contribuiu para 6,5 milhões de mortes prematuras. O número inclui a poluição nas ruas, representada pela emissão de gases, e de dentro de casa, provocada pela queima de madeira ou carvão, por exemplo.

A água poluída, segundo maior fator de risco, representou 1,8 milhão de mortes, enquanto a poluição no ambiente de trabalho foi relacionada a 800 mil mortes em todo o mundo.

Cerca de 92% destas mortes ocorreram em países pobres, sendo que o maior impacto foi observado em países que estão passando por um rápido processo de desenvolvimento e industrialização, como a Índia, que apresentou o quinto maior número de mortes por poluição, e a China, na 16ª posição.

Gráfico mostra dez países com menor proporção de mortes por poluição
Gráfico mostra dez países com menor proporção de mortes por poluição

Foto: BBCBrasil.com

De acordo com os autores do estudo, a poluição do ar afetou os pobres de forma desproporcional, inclusive em países ricos.

“A poluição, a pobreza, a saúde e a injustiça social estão profundamente interligadas”, afirma Karti Sandilya, da organização não-governamental Pure Earth, também autor do estudo.

“A poluição ameaça os direitos humanos fundamentais, como o direito à vida, à saúde, ao bem-estar, ao trabalho seguro, bem como às proteções das crianças e dos mais vulneráveis”, completa.

O estudo é resultado de um projeto de dois anos organizado pela The Lancet sobre os efeitos da poluição na saúde.