Espiritualidade

Papa faz crítica à obsessão pelo corpo perfeito e pede mundo com mais aceitação

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

“Em uma época em que o cuidado com o corpo tornou-se uma obsessão [..] tudo o que é imperfeito tem de ser escondido”, disse o papa em tradicional celebração dominical, no Vaticano.

Em sua tradicional celebração de domingo, na praça de São Pedro, no Vaticano, o papa Francisco fez uma crítica às pessoas que buscam o corpo perfeito, sugerindo que esta obsessão pode levar a sociedade a marginalizar aqueles que não se encaixam nos padrões estabelecidos para que não afetem a sensibilidade de “poucos privilegiados”.

“Pensa-se que pessoas doentes ou com deficiência não podem ser felizes, uma vez que não podem viver o estilo de vida sustentado pela cultura do prazer e do entretenimento. Em uma época em que o cuidado com o corpo tornou-se uma obsessão e um grande negócio tudo o que é imperfeito tem de ser escondido, uma vez que ameaça a felicidade e a serenidade de poucos privilegiados e põe em risco o modelo dominante”, disse o papa.

Em sua tradicional celebração de domingo, na praça de São Pedro, no Vaticano, o papa Francisco fez uma crítica às pessoas que buscam o corpo perfeito, sugerindo que esta obsessão pode levar a sociedade a marginalizar aqueles que não se encaixam nos padrões estabelecidos para que não afetem a sensibilidade de “poucos privilegiados”.

“Pensa-se que pessoas doentes ou com deficiência não podem ser felizes, uma vez que não podem viver o estilo de vida sustentado pela cultura do prazer e do entretenimento. Em uma época em que o cuidado com o corpo tornou-se uma obsessão e um grande negócio tudo o que é imperfeito tem de ser escondido, uma vez que ameaça a felicidade e a serenidade de poucos privilegiados e põe em risco o modelo dominante”, disse o papa.

Fonte: iG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.