Notícias

País tem quase 64 milhões de lares com acesso a telefone celular

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

RIO – O País já tem quase 64 milhões de lares com acesso a telefone celular, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta sexta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2016, 92,3% dos 69,224 milhões de domicílios brasileiros tinham pelo menos um morador com telefone móvel celular, enquanto que o telefone fixo convencional era encontrado em apenas 34,5% das casas, 23,891 milhões de residências.

A geladeira foi outro item encontrado em quase a totalidade dos domicílios, 98,1% deles, 67,938 milhões. O resultado significa, porém, que 1,286 milhões de lares ainda não possuem geladeira.

A televisão estava presente em 67,394 milhões de casas (97,4%), mas em 22,687 milhões delas, o aparelho ainda era do modelo antigo, de tubo.

A máquina de lavar roupa já chegou a 43,636 milhões de residências no País, mas a posse do eletrodoméstico ainda é desigual. A máquina de lavar roupa está presente em apenas um terço dos lares na Região Nordeste (33,5%) e um pouco mais na Região Norte (41,4%). No Sul, 83,3% dos domicílios tinham o eletrodoméstico; no Sudeste, 76,8%; e no Centro-Oeste, 67,1%.

O acesso à Internet no domicílio por parte de algum morador chegou a um porcentual de 63,6% das casas: 60,3% das residências tinham acesso através de telefone celular; 40,1%, via microcomputador; e 12,1%, pelo tablet.