Saúde

O que é obstrução urológica, problema que atingiu Michel Temer

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O presidente Michel Temer foi internado na quarta (25/10) em virtude de uma obstrução urológica que causou “desconforto”, segundo a assessoria. Na noite do mesmo dia, ele já teve alta e foi repousar em casa, mas uma dúvida permanece: o que é essa tal de obstrução urológica?

“Trata-se de um bloqueio em alguma parte do trato urinário que culmina em dificuldade para fazer xixi”, introduz Carlo Passerotti, urologista do Instituto da Próstata e Doenças Urinárias e coordenador do Centro de Cirurgia Robótica do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. Ou seja, por algum motivo um trecho do canal urinário é travado, o que chega a impedir a urina de ser expelida.

Essa obstrução pode ocorrer lá perto dos rins – em decorrência de um cálculo renal –, ou na uretra, por exemplo. Nas mulheres, é um fenômeno raro, que acontece eminentemente por alterações no canal que leva o xixi da bexiga para fora do corpo.

Já nos homens, é relativamente comum com o avançar da idade. Isso porque, conforme os anos passam, há uma boa chance de a chamada hiperplasia da próstata dar as caras. “Em resumo, é um inchaço desse órgão que pode, entre outras coisas, espremer o canal urinário”, explica Passerotti.

Às vezes, o aumento da próstata não é suficiente para bloquear a uretra. Mas, se o paciente com esse quadro sofre uma infecção no órgão (chamada de prostatite), aí pode travar a saída do xixi. “Na verdade, são inúmeras as causas de obstrução urinária”, pondera Passerotti. Para ter ideia, até remédios usados para desentupir o nariz ou um machucado na região podem culminar no quadro.

Sintomas e consequências da obstrução

A principal chateação, como já dissemos, é a dificuldade para fazer xixi. Em casos agudos, que surgem de repente, a dor também é intensa.

Agora, há situações em que a obstrução é crônica. Ou seja, o paciente não consegue soltar todo o xixi há tempos.
Nesses casos, a própria bexiga se dilata, o que reduz o incômodo – mas abre as portas para uma série de encrencas. “O acúmulo de urina na bexiga e no canal urinário favorece infecções, sangramentos, cálculos na bexiga e até lesão nos rins”, enumera Passerotti.

O tratamento

A desobstrução depende, claro, da origem do problema. Se for uma infecção, o jeito é dar antibióticos. Se o bloqueio vier em virtude de um cálculo, esse terá de ser removido de alguma forma. E, se a hiperplasia da próstata tiver travado a uretra, talvez uma cirurgia alivie o mal.

“Cabe destacar que essa operação é completamente diferente de uma para retirar um câncer de próstata”, lembra Passerotti. “O risco de disfunção erétil ou incontinência urinária é baixíssimo”, completa. Aliás, tumores malignos na região eventualmente geram obstrução urológica. Mas, em geral, isso só ocorre em quadros avançados, quando outros sintomas já surgiram.

Independentemente da causa, os médicos precisam tirar o excesso de urina enquanto a obstrução não é solucionada. E eles costumam fazer isso inserindo uma sonda para aliviar a bexiga. Em comunicado à imprensa, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República avisou que, de fato, Michel Temer foi submetido a “uma sondagem vesical de alívio”.

Dependendo do caso, essa sonda é retirada no mesmo dia. Porém, pode continuar retirando o xixi artificialmente por algum tempo até a pessoa se reestabelecer completamente.