Brasil

Número de brasileiros que se declaram pretos cresce 14,9% em 4 anos

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O número de brasileiros que se declaram pretos no País cresceu 14,9% entre 2012 e 2016. A população que se considera parda também aumentou 6,6% no mesmo período. Em movimento inverso, o número de pessoas que se declaram brancas caiu 1,8%. Os da Pesquisa Nacional por Amostra Domicílio (Pnad) foram revelados nesta sexta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Desde 2007, as Pnads do IBGE vêm mostrando que a soma da população identificada como de pele preta e parda supera aqueles que se consideram brancos. Em 2016, os brasileiros declarados como pardos respondiam por 46,7% da população. As pessoas que se identificam como de pele branca representavam 44,2% do total. Já as pessoas identificadas como de pele preta eram 8,2%.

Idosos

Os dados da pesquisa também apontam que a população brasileira seguiu envelhecendo em 2016. Na passagem de 2015 para o ano passado, 1 milhão de brasileiros entrou na faixa etária de 60 anos ou mais.

Atualmente, eles são 14,4% dos 205,5 milhões da população nacional estimada pela Pnad Contínua. Em 2012, quando começa a série estatística da pesquisa, essa faixa etária respondia por 12,8% da população. Em quatro anos, são 4 milhões de brasileiros a mais na faixa de 60 anos ou mais, aumento de 16%. É como se todos os habitantes do Espírito Santo passassem a essa faixa, entre 2012 e 2016.

Na outra ponta, o contingente populacional na faixa etária de zero a 9 anos encolheu 4,7%. São 1,3 milhão de crianças a menos nessa faixa. Com isso, o porcentual da população enquadrada nesses limites caiu de 14,1% em 2012 para 12,9% em 2016.

Regionalmente, o Norte é onde a população é mais jovem. Lá, as pessoas com 60 anos ou mais representam 9,2% do total, comparado aos 17% da faixa etária de zero a 9 anos, conforme os dados de 2016. Só que a região Norte tem apenas 8,5% do total da população brasileira, com 17,427 milhões de habitantes. O menor contingente populacional está no Centro-Oeste, com 15,545 milhões de habitantes, ou 7,6% do total em 2016. A maior parte dos brasileiros (86,361 milhões de pessoas) vive no Sudeste.

Além disso, conforme os dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE, as mulheres representavam 51,5% do total de 205,5 milhões. Os homens respondiam por 48,5% do total. Segundo o IBGE, não foi verificada alteração nestas participações entre 2012 e 2016.