Notícias

Neymar, Santos e Barcelona responderão por crimes na Espanha

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Um juiz da Audiência Nacional da Espanha propôs que Neymar, os pais do atleta, o Barcelona, o presidente do clube, Josep Maria Bartomeu, e seu antecessor, Sandro Rosell, e o Santos sejam julgados por crimes na contratação do atacante.

Em uma decisão judicial, o juiz José de La Mata acatou o pedido de investigação sobre a contratação do jogador brasileiro por causa de uma denúncia do grupo DIS, que diz que houve fraude no negócio.

De la Mata propõe que o presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu, seu antecessor no cargo, Sandro Rosell, e o próprio clube sejam julgados por corrupção entre particulares e apropriação indébita. Neymar, os pais do atleta e a empresa da família, a N&N, deveriam ser julgados por corrupção, segundo o magistrado. Já Odilio Rodrigues Filho, dirigente do Santos na época, e o Peixe também responderiam na Justiça pelo crime de apropriação indébita.

Na decisão, o juiz dá dez dias que a acusação para que seja solicitada a abertura de julgamento oral ou sobrestamento do caso. De la Mata lembra que a Sala Penal do tribunal ordenou a reabertura da denúncia em setembro, dando sequência às investigações.

De acordo com o magistrado, o acordo assinado em 2011, pelo qual Neymar receberia 40 milhões de euros para ser contratado no futuro pelo Barcelona, “teria alterado o livre comércio de jogadores”.

“Ao impedir que o jogador entrasse no mercado conforme as regras da livre concorrência, de modo a obter uma maior quantia econômica pela transferência, isso constitui crime de corrupção entre particulares”, diz o texto da decisão divulgada hoje.

“Se o objetivo deste contrato foi diretamente alterar o mercado de contratações de jogadores, como estima a Sala Pena, então é razoável pensar que os dois dirigentes intervieram em sua assinatura. Rosell e Bartomeu, então presidente e vice-presidente (do Barcelona), foram responsáveis por essa decisão, pela assinatura do contrato e sabiam da finalidade ilícita”, afirmou o magistrado.

Para De la Mata, a atuação dos dois dirigentes do Barcelona não foi informada ao resto da diretoria, nem ao Santos, nem à DIS, proprietária de 40% dos direitos federativos de Neymar enquanto o atacante ainda tinha contrato com o Peixe.

O juiz também considera as partes contratantes como responsáveis pelos fatos, isto é, Neymar e seu pai, Neymar da Silva Santos.

Quantos aos três contratos assinados em 2013, quando o Barcelona antecipou a contratação de Neymar sem esperar que o jogador ficasse livre do compromisso com o Santos, a partir de julho de 2014, o juiz lembra que os fatos foram considerados pela Sala Penal como “uma simulação consciente para a comissão da fraude”.

Dada a premissa anterior, De la Mata afirmou que Bartomeu e Rosell articularam um “pacote de contratos simulados sem outro fim do que ocultar o valor real, sem informar a direção, a assembleia de sócios (do Barcelona) e assinaram os contratos comprometendo o clube a realizar todos esses pagamentos”, disse a decisão.