Política

New York Times faz editorial sobre Bolsonaro: “Escolha triste do Brasil”

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O jornal americano New York Times publicou um editorial no domingo (21) sobre a “escolha triste do Brasil” por Jair Bolsonaro (PSL).

No texto, escrito pelo conselho editorial da publicação, o jornal afirma que “é um dia triste para a democracia quando a desordem e a decepção levam eleitores à distração e abrem a porta para populistas ofensivos, rudes e agressivos”.

O NYT aponta que Bolsonaro é um político de direita e lista declarações em que o candidato afirma que preferiria que seu filho morresse a ser homossexual. Também relembra o episódio em que o político disse que a deputada Maria do Rosário, sua colega na Câmara, não merecia ser estuprada porque seria “muito feia” e que quilombolas pesavam “sete arrobas” e não faziam nada.

O jornal ainda aponta a “nostalgia de Bolsonaro por generais e torturadores” da ditadura militar brasileira (1964-1985).

Para contextualizar o cenário eleitoral, o NYT cita a recessão econômica, a Operação Lava Jato, a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o impeachment de Dilma Rousseff (PT), ressaltando “o desespero dos brasileiros por mudança”.

“Os pontos de vista nojentos de Bolsonaro são interpretados como sinceridade, sua obscura carreira como parlamentar como a promessa de um forasteiro que vai limpar a corrupção”, diz o jornal.  Também segundo o NYT, Fernando Haddad  (PT)”falhou em superar a associação de seu partido com corrupção e má administração”, o que teria intensificado o antipetismo entre os eleitores.