Destaque

Navios e aeronaves que buscam submarino argentino investigam mais um ruído

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O sétimo dia de buscas do submarino argentino que desapareceu há uma semana, com 44 pessoas a bordo, terminou em suspense. O porta-voz da Marinha, Enrique Balbi, informou nesta quarta-feira (22) à noite que navios e aeronaves foram mobilizados para investigar um ruído registrado três horas após a última comunicação do ARA San Juan com a terra.

O boletim oficial da Marinha era esperado com ansiedade. O último contato com o ARA San Juan foi há uma semana, às 7h30m da manhã de quarta-feira (15). Quatro mil pessoas de mais de dez países estão participando da megaoperação de busca e resgate, mas, após uma semana de buscas intensas, não há rastro da embarcação.O pior é que o tempo está acabando para um resgate bem-sucedido: debaixo do mar, o submarino tem capacidade de armazenamento de oxigênio por sete dias. Depois, precisa subir à superfície para renovar o ar – mas não ha sinais de que isso tenha acontecido.

Aeronave brasileira

A “anomalia acústica” (ou ruído) que está sendo investigada foi registrada três horas após o último contato do submarino com a terra, a 30 milhas ao norte do local onde ele estava. Segundo Balbi, uma aeronave da Marinha brasileira, munida de um detector de “anomalias magnéticas”, vai sobrevoar a área.

Esse mesmo avião foi usado para investigar uma “mancha de calor” detectada na terça-feira (21) à noite, que poderia ser o submarino. Acabou sendo mais um alarme falso. As famílias dos 44 tripulantes estão acompanhando as buscas em Mar del Plata, onde o submarino deveria ter chegado na segunda-feira passada (20).

Fortes ventos e ondas de até oito metros dificultaram as buscas nos primeiros dias. O tempo melhorou na terça-feira (21), mas uma tempestade está prevista para esta quarta-feira à noite.