Esportes

Marinho dá show, Vitória vence o Atlético-PR e sai da zona de rebaixamento

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Cinco gols, duas viradas e um nome: Marinho. O atacante do Vitória justificou mais uma vez a sua importância para a equipe. Após ter feito um gol e dado uma assistência no empate diante do Fluminense por 2×2,  no Maracanã, na rodada passada, o camisa 7 desta vez marcou duas vezes e deu uma assistência no triunfo por 3×2 sobre o Atlético Paranaense, no Barradão. Pablo marcou os dois do time visitante.

Logo aos 4 minutos, Marinho fez jogada individual pela esquerda e contou com ajuda do zagueiro Marcão, que cortou mal, para abrir o placar num chute colocado, no cantinho de Weverton.

A partir daí começou o show de Pablo. Não o cantor, mas de um atacante rival que costuma aterrorizar a defesa do Vitória já há algum tempo. Aos 16 minutos, ele recebeu dentro da área após grande jogada de Lucas Fernandes e pegou de primeira, mas mandou para fora. A dobradinha deu certo na segunda tentativa.

Aos 29, Lucas Fernandes recebeu nas costas de Diego Renan e, na saída de Fernando Miguel, rolou para Pablo só tocar para o fundo do gol e empatar. Nitidamente nervoso, o time do Vitória tinha dificuldades em criar boas oportunidades. E quando conseguiu, desperdiçou.

Zé Love recebeu lançamento do lado esquerdo, dominou e chutou cruzado, mas a bola acertou a trave e voltou caprichosamente nas mãos de Weverton. O castigo veio em seguida. Aos 42 minutos, Euller saiu jogando errado e entregou a bola nos pés de Lucho González. O meia argentino serviu Pablo, que tocou por cima de Fernando Miguel, com muita categoria, para decretar a virada no primeiro tempo.

Enquanto os jogadores caminhavam para os vestiários durante o intervalo, Marinho e Victor Ramos discutiram e o zagueiro acabou empurrando o camisa 7 rubro-negro, até serem contidos pelos companheiros e membros da comissão técnica.

 SÓ MARINHO SALVA

Argel voltou para o segundo tempo com Diogo Mateus no lugar de Euller, que havia falhado no gol da virada do Atlético Paranaense. No finalzinho da primeira etapa, Cárdenas já tinha entrado na vaga de Flávio, também por opção.

As modificações deixaram o Vitória mais ofensivo, mas as jogadas de perigo da equipe continuavam dependo da inspiração de Marinho. Em cobrança de escanteio venenosa do atacante, Otávio quase marcou contra, obrigando Weverton a fazer uma ótima defesa. Em sua última cartada, o técnico rubro-negro tirou Zé Love e colocou o jovem David em campo.

As estrelas do treinador e do jogador brilharam. Em sua primeira participação, David aproveitou a grande jogada de Marinho pela direita e desviou com o pé esquerdo para empatar a partida novamente, aos 23 minutos.

Aos 36 minutos, veio a consagração. Marinho roubou a bola no campo de ataque,  partiu em velocidade, deixou Paulo André no chão e fuzilou a rede de Weverton para fazer 3×2 e virar o jogo. Golaço!

Apesar da angústia nos minutos finais, o Vitória conseguiu segurar o resultado que o garantiu fora da zona de rebaixamento. Depois dos empurrões no intervalo, Victor Ramos e Marinho trocaram um grande abraço no fim da partida, graças a mais um dia iluminado do camisa 7 rubro-negro. Agora o Vitória terá uma boa “folga”  até encarar o Santos, na Vila Belmiro, às 18h30, dia 17.