Notícias

Maioria da população não sabe que tem hepatite C

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Sem o teste, a pessoa infectada só vai saber que tem a doença quando os sintomas aparecerem, mas isso só acontece quando a doença estiver em estágio muito avançado, o que reduz as chances de sucesso no tratamento
Sem o teste, a pessoa infectada só vai saber que tem a doença quando os sintomas aparecerem, mas isso só acontece quando a doença estiver em estágio muito avançado, o que reduz as chances de sucesso no tratamento

 

Um novo levantamento divulgado nesta terça-feira mostra que 60% dos brasileiros com hepatite C estão sem diagnóstico da doença. A pesquisa foi encomendada pela Sociedade Brasileira de Hepatologia e pela Sociedade Brasileira de Infectologia e realizada pelo instituto Datafolha. A divulgação ocorre no Dia Mundial da Luta contra as Hepatites Virais.

Segundo a pesquisa, 36% das pessoas acreditam que a doença é transmitida no ato sexual — o que é considerado raro. O estudo mostrou ainda que 18% reconhecem que não sabem como a doença é contraída. Estima-se que sejam 2 milhões de pessoas infectadas no Brasil, sendo que menos de 5% delas recebem tratamento.

Atualmente, a hepatite C é considerada a principal causa de transplante de órgãos, com 65% dos casos, e de câncer de fígado, com 60% dos casos. Por ano, são 9 000 mortes causadas por doenças hepáticas, geralmente relcionadas à doença. Ao todo, o levantamento ouviu 2 125 pessoas de 120 municípios.

Também nesta terça-feira, o Ministério da Saúde está convocando a população para fazer o teste da hepatite C. Além de se vacinar contra as outras formas do vírus: as hepatites A e B. O teste pode ser feito nos postos da rede pública de saúde e é recomendado especialmente para pessoas com mais de 40 anos. De acordo com o Ministério, esta faixa etária é primordial porque nas décadas de 1980 e 1990 havia mais sexo desprotegido, uso de drogas injetáveis e menor controle nas transfusões de sangue e na hemodiálise.

A hepatite é uma inflamação do fígado que pode ser causada por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. Em geral é uma doença silenciosa que nem sempre apresenta sintomas, mas quando estes aparecem podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Considerada um grave problema de saúde pública, o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza imunizações contra as hepatites virais A e B. A primeira é direcionada para crianças entre um e dois anos e a segunda para pessoas com até 49 anos.

“São vacinas que já estão mudando a história dessas enfermidades. As próximas gerações muito provavelmente serão livres das hepatites A e B. Mas para a hepatite C precisamos convocar todos aqueles com mais de 40 anos, que tiveram procedimentos cirúrgico, que receberam sangue, que fizeram qualquer tipo de procedimento antes de 1993 para que procurem o posto mais próximo para fazer a testagem da hepatite C”. Sem o teste, a pessoa infectada só vai saber que tem a doença quando os sintomas aparecerem, mas isso só acontece quando a doença estiver em estágio muito avançado.

A transmissão dessa forma da doença, causada pelo vírus HCV, se dá pelo sangue contaminado e pode acontecer por relação sexual, de mãe para filho e em ambiente hospitalar.

De acordo com o Ministério, todos os anos surgem aproximadamente 10 000 novos casos. Na segunda-feira, a pasta lançou um novo protocolo para o tratamento da hepatite C, com 90% de cura.

Hepatites A e B – A hepatite A é causada pelo vírus VHA, se concentra em crianças entre cinco e seis anos e pode ser transmitida pela ingestão de alimento ou água contaminada. Ao contrário das outras formas, a maioria dos casos é benigna e o quadro se resolve espontaneamente em alguns meses.

A hepatite B é causada pelo vírus HBV e é transmitida por sexo desprotegido, sangue contaminado, de mãe para filho ou em ambiente hospitalar contaminado.

 

Fonte: Veja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.