Destaque

Mãe de menino com anomalia de pele dá lição de inclusão e emociona a internet

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O desabafo de uma mãe no Facebook recebeu 70 mil curtidas. Há cerca de um mês, a israelense Ruthi Gaon falou sobre o preconceito sofrido pelo filho, Erezi, de oito anos, portador de uma anomalia não contagiosa conhecida como nevo congênito. A condição faz com que a criança tenha o corpo todo manchado por pintas.

Na publicação, a mãe do menino diz que é frequente as pessoas encararem o seu filho com curiosidade. Porém, ele também sofre com bullying. No post viral, Ruthi conta o caso de uma mãe que, ao invés de repreender sua filha por zombar de Erezi, riu dele junto com a menina.

A israelense relatou que sentiu vontade de bater na mulher, mas que Erezi a fez mudar de ideia: “Eu juro que, naquele momento, achei que iria esmagar o rosto dela (e muito mais). Mas você apenas sorriu, segurou a minha mão e continuamos andando”. Para finalizar a postagem, Ruthi concluiu: “Se essa mãe vir este post, saiba que escolhi te perdoar porque o meu tesouro me ensina todos os dias como ser uma pessoa melhor”.

O texto estava acompanhado de uma foto de Ruthi com o rosto pintado de tinta em apoio ao filho. A este blog, a psicóloga infantil Daniella Faria comentou a atitude: “Ela mostrou para o menino que ele não está sozinho e que ser diferente não é um problema. O significado que a família dá para essas condições é muito importante para passar confiança à criança”.

A profissional também explica que o julgamento infantil nem sempre pode ser caracterizado como bullying. Segundo ela, crianças de até 7 anos normalmente se expressam quando identificam uma característica que lhes chama a atenção. Contudo, podem estar apenas constatando, e não sendo ofensivas propositalmente. O juízo de valores é aprendido com os adultos, que fazem as divisões do que é melhor e pior.

“Quando uma criança diz, por exemplo, que alguém é gordo ou que tem o cabelo comprido, o correto seria os responsáveis interferirem. Afirmando, por exemplo, que cada um tem um jeito e que se deve respeitar todos como são. Isso ensina os filhos a não criarem divisões entre as pessoas”, concluiu a psicóloga.