Notícias

Mãe de assaltante tenta registrar queixa contra vítima que reagiu a assalto

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A mãe de um suspeito de roubo preso em flagrante tentou registrar queixa contra vítimas que reagiram à tentativa de assalto. O delegado se recusou a fazer o boletim de ocorrência. O caso foi em Praia Grande, no litoral de São Paulo, na noite da quinta-feira (7).

Erick Thadeu Pariz de Oliveira, 23 anos, e Gregory Perciliano de Jesus, 20, foram presos tentando roubar a carga de um caminhão no momento da descarga. Um deles estava armado e anunciou o assalto. Outros funcionários da empresa perceberam a ação e reagiram, segundo informação do G1 Santos. Houve uma luta corporal e os dois suspeitos foram agredidos.

A Polícia Militar foi chamada depois que os funcionários conseguiram imobilizar os suspeitos. A arma que eles usavam, que era falsa, foi apreendida. Os dois foram levados à delegacia e autuados em flagrante por roubo. Familiares dos dois chegaram no meio da situação, inclusive a mãe de Gregory, que quis registrar boletim de ocorrência por lesão corporal contra as pessoas que agrediram o filho. “Eu expliquei que não registraria, pois as vítimas do roubo estavam em legítima defesa e agiram com respaldo da lei”, diz o delegado.

A mãe disse ao G1 que a ação das pessoas que reagiu não é justificável. “Quando soube o que aconteceu, fui à delegacia ver meu filho. Cheguei lá e ele estava muito machucado. Ele foi espancado. Tentei registrar um boletim de ocorrência de lesão corporal. Nada justifica”, diz a funcionária pública Iris Perciliano, 38. “Isso não é legítima defesa mesmo. O ferimento no rosto do meu filho parece que quebrou algo, está muito feio. E o delegado ainda postou o caso na internet. Não é ético”.

A família pretende representar contra o delegado junto ao Ministério Público. “Depois que o delegado negou o boletim, as vítimas ficaram rindo da nossa cara. Eu me senti humilhada. Que violência é essa deles? Não vai a lugar nenhum”, diz Vanessa de Jesus, 24, esposa de Gregory. Ela também reclama do comportamento do delegado, que teria publicado sobre o caso nas redes sociais. “A gente quer tomar uma providência, pois fomos tratados como cachorro. É uma falta de respeito. Cadê os direitos humanos?”.

Os dois presos foram encaminhados para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), medicados e levados para a Cadeia Pública.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.