Política

Lula está inelegível? Entenda a situação do petista

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A decisão desta segunda-feira (26) da Oitava Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, de rejeitar os embargos de declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva(PT), reitera uma situação que já era conhecida desde sua condenação em segunda instância: de acordo com a Lei da Ficha Limpa, o petista está inelegível.

Na letra fria da lei, está impedido de ser eleito qualquer condenado por “órgão judicial colegiado” em uma série de crimes, entre eles, lavagem de dinheiro. Este é o caso de Lula, condenado pelos desembargadores da Oitava Turma do TRF4 a doze anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP).

Protestos contra e a favor de Lula nesta segunda-feira (26)

Mas há uma brecha. É a mesma Lei da Ficha Limpa que oferece uma saída para garantir, pelo menos temporariamente, sua candidatura. Um dos artigos da norma federal prevê a suspensão da inelegibilidade pela corte em que a defesa do ex-presidente recorrer contra a decisão do TRF4.

Esse pedido deve ser feito ao tribunal em que a defesa do ex-presidente recorrer contra a condenação no TRF4 — no caso, o Superior Tribunal de Justiça ou o Supremo Tribunal Federal. Ainda que provisória, a decisão de uma dessas cortes pode garantir o registro de candidatura, que é analisado e autorizado pelo Tribunal Superior Eleitoral.

A batalha de Lula se transfere de Porto Alegre para Brasília, onde o STJ e STF são os destinos naturais dos recursos dos advogados de Lula. No TRF4, o processo está praticamente encerrado. A defesa de Lula vai avaliar se recorre contra a decisão que lhe negou os embargos de declaração — a medida serviria apenas para ganhar tempo, já que não há nenhuma chance de a corte rever seu julgamento.

São dois tipos de recursos que cabem nos tribunais de Brasília. Ao STJ, a defesa só pode argumentar que o TRF4 ofendeu alguma lei federal. Ao Supremo é preciso demonstrar alguma violação à Constituição. Em nenhum dos casos, há espaço para se discutir provas.

GALERIA: Ex-presidente Lula na Lava Jato: conheça todas as ações

Ações contra o ex-presidente Lula na Lava JatoEx-presidente Lula na Lava Jato: conheça todas as ações

É no recurso ao STF ou ao STJ contra a condenação em segundo grau que a defesa pode pedir a suspensão da inelegibilidade. Essa permissão para ser candidato só é concedida se os ministros entenderem que Lula tem alguma chance de êxito nos recursos que ainda serão apresentados.

Calvário jurídico

Enquanto Lula tem autorização para pedir votos e participar de atos de campanha, as atenções se voltam às decisões que os ministros do STJ ou do STF devem tomar: se negarem o recurso da defesa do petista, a liminar que autoriza sua candidatura cai e ele não pode mais ser eleito; se Lula vencer nos tribunais de Brasília, será absolvido e terá sua candidatura garantida sem qualquer percalço.

Ao se confirmarem as pesquisas de intenção de voto que colocam Lula na liderança em todos os cenários, no momento em que a liminar cair — se cair — vai se desdobrar uma série de possibilidades jurídicas que tem tudo para encher de incerteza o processo eleitoral e colocar à prova as instituições do país.

Se a liminar cair faltando mais de vinte dias para as eleições, o PT pode substituir Lula na urna ou pagar para ver na tentativa de esgotar todas as possibilidades de recurso que dão sustentação à sua candidatura — e há precedentes jurídicos que permitem essa aposta. Mas se a liminar perder seus efeitos a menos de vinte dias do primeiro turno, os votos de Lula serão considerados nulos.

Em nome da estabilidade, a advogada Karina Kufa, professora de direito eleitoral do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) de São Paulo, espera que o Judiciário tenha uma posição final até o dia 7 de outubro, data do primeiro turno e prazo hábil para que os eleitores compareçam à votação sabendo quem, de fato, tem condições de ser eleito.

Caso a liminar favorável a Lula caia entre o primeiro e o segundo turno, a eleição pode ser anulada e um outro pleito ser convocado. Isso porque, explica a advogada, não é possível que o segundo colocado seja considerado vencedor sem ter a maioria absoluta dos votos. Já se Lula vencer o segundo turno e a liminar cair depois disso, repete-se a possibilidade de novas eleições serem convocadas, ou o TSE reconhece a supremacia da vontade popular e permite a diplomação do petista — caminho irreversível para sua posse.

Lula: relembre a sua trajetória política

Relembre a trajetória política de LulaLula: relembre a sua trajetória política

Prisão

O recurso que ainda pode ser apresentado ao Supremo não deve ser confundido com o habeas corpus preventivo em trâmite na corte. Neste momento, o que está em discussão é apenas a possibilidade de Lula ser preso após sua condenação em segunda instância. Os ministros se reúnem no próximo dia 4 de abril para decidir se o petista poderá recorrer em liberdade contra a condenação no TRF4.

A advogada acrescenta que Lula pode ser candidato mesmo preso. Isso porque, uma vez registrada a candidatura, a Lei Eleitoral autoriza a participação do político em todos os atos de campanha — inclusive com acesso ao fundo partidário. Uma vez eleito e diplomado, Lula terá suspenso o processo do tríplex do Guarujá e todos os processos criminais a que responde durante o mandato. Isso porque a Constituição garante que o presidente não pode ser responsabilizado por atos que não os relativos ao exercício de suas funções.