Notícias

Liberação de vaquejada repercute bem na Bahia

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Depois da polêmica gerada por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou a prática da vaquejada como submissão dos animais a crueldade, em outubro do ano passado, a Câmara dos Deputados aprovou, anteontem, em segundo turno a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 304/17, que viabiliza a manutenção desta tradição nordestina.

Segundo o secretário da Agricultura da Bahia, Vitor Bonfim, que desde a polêmica se manifestou como defensor das vaquejadas, a aprovação da PEC foi um “acerto”, ao reconhecer esportes envolvendo equinos e bovinos como riqueza da cultura do Nordeste.

Ele lembra que “se trata do esporte mais praticado da região e que movimenta bilhões de reais para a economia”.

Para Bonfim, “a aprovação desta PEC trará tranqüilidade e garantia para os criadores, comerciantes e toda cadeia produtiva envolvida, além de gerar empregos neste momento de crise”.

Associação

A Associação Brasileira da Vaquejada (Abvaq), principal instituição que regulamenta esta tradicional prática esportiva, acredita que a aprovação da PEC 304/17 eleva a vaquejada, assim como os demais esportes equestres, à condição de modalidade cultural.

Segundo o presidente da entidade, Paulo Fernando de Morais, popularmente conhecido como Cuca, depois da promulgação e publicação da aprovação da PEC, a vaquejada fica protegida e não deve voltar a ser proibida no país.

Ele lembra que, para isso, será necessário que os realizadores e praticantes das vaquejadas respeitem regras de bem-estar animal, também previstas no regulamento da associação.

“Não é só a vaquejada que será protegida a partir de agora, mas todos os esportes equestres reconhecidos como patrimônio cultural do Brasil”.

Juiz do bem-estar

Procurado por A TARDE para falar sobre a aprovação da PEC 304/17, o membro da Associação Baiana de Médicos Veterinários (Amveba) Ulisses Graça Filho destacou que a vaquejada legalizada garante a presença de um juiz do bem-estar, ou seja, a presença de um médico veterinário que avalia as condições dos cavalos e bovinos no evento.

“Esta polêmica foi superimportante para que as pessoas percebam a importância da prática do bem-estar nas vaquejadas”, explicou o médico.

Ulisses Graça, no entanto, advertiu sobre a responsabilidade dos organizadores. “É interessante que os próprios praticantes do esporte com animais e demais envolvidos na polêmica fiscalizem se todos estão cumprindo as regras de bem-estar animal e punam os que não quiserem obedecer às regras”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.