História

Leis que criaram o município de Itaberaba

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Ao território do atual município são feitas referências desde o século XVII, quando os diversos Governadores mandavam fazer entradas contra os selvagens que, anualmente desciam sôbre os estabelecimentos portuguêses do recôncavo. As passagens das bandeiras que viajaram margeando o rio Paraguaçu deixaram vestígios de for tim, à sua margem direita. É tradição oral a existência da tribo dos maricás, aldeada outrora naserra do Orobó, que sustentou lutas constantes com as bandeiras vindas para combatê-la e, afinal, sendo os indígenas vencidos, retiraram-se êstes para as matas do Sul dêste Estado.

Atribuem-se como fatôres ou causas determinantes do povoamento do município: 1.º) a concessão de sesmarias, como as do capitão-mor Manu el Cajado e Antônio Guedes de Brito, a do último compreendida entre os rios Capivari, Piranhas e as serras do Orobó, e do Tupim, desde 1768; 2.º) as entradas com a presunção da existência de ouro na serra do Orobó, cujo significado de “ouro bom” é tradição oral, estando a riqueza do subsolo ligada à história de Robério Dias.

Em 1806, houve compra ao capitão-mor Manoel Rodrigues Cajado, da fazenda “São Simão”, a qual em 1809 passou a Antônio de Figueiredo Mascarenhas que, no centro da sua propriedade, edificou uma casa de oração, consagrada a Nossa Senhora do Rosário, local em que hoje se encontra a cidade de Itaberaba. Aí se formou povoação em tôrno da capela e, em 1817, já era um arraial – Orobó – pertencente ao município d e Cachoeira. Ao povoado que se formou e cresceu em razão da capela, foram dadas honras de p aróquia pela Resolução provincial número 195, de 18 de maio de 1843, com a denominação de freguesia de Nossa Senhora do Rosário do Orobó, “antes no âmbito da Freguesia de Santana do Camisão”, ficando, por êste ato, criado o distrito de paz.

Foi o arraial de Orobó elevado à categoria de vila pela Resolução provincial número 1715, de 26 de março de 1877, que criou o município do mesmo nome, com território desmembrado do de Camisão, sendo instalado a 30 de junho daquele ano.

A vila de Orobó foi elevada à categoria de cidade com o nome de Itaberaba, pela Lei estadual número 176, de 25 de junho de 1897, topônimo que se estendeu ao município.

Da divisão administrativa referente a 1911, o muni cípio de Itaberaba é composto pelos distritos seguintes: Itaberaba e Orobó Grande.

O Conselho Municipal, com a Lei 47, criou o distrito de paz de Boa Vista, merecendo aprovação pela Lei número 1470, em 16 de maio de 19 21.

A criação do distrito de paz de Ibiquera deve-se à     Lei estadual número 8570, de 29 de julho de 1933.

Na divisão administrativa relativa a 1933, o município em causa figura composto dos distritos de Itaberaba, Boa Vista e Ibiquera, assim permanecendo em divisões territoriais de 31 de dezembro de 1936 e 31 de dezembro de 1937, bem assim no quadro anexo ao Decreto-lei estadual número 10724, de 30 de março de 1938, a partir de quando Boa Vista e Ibiquera foram elevados à categoria de vila.

Outrossim, no quadro territorial em vigor no qüiqüênio 1939-1943, estabelecido pelo Decreto estadual número 11089, de 30 de novembro de 1938, Itaberaba aparece formado pelos 3 distritos citados na divisão administrativa precede nte observando-se o mesmo no quadro territorial vigente em 1944-1948, fixado pelo Decreto-lei estadual número 12978, de 1º de junho de 1944, devendo-se notar, todavia, que neste quadro o distrito de Boa Vista passou a denominar-se Tupim. Nas divisões territoriais segui ntes, a situação administrativa municipal permanece inalterada até que a Lei 628, de 30 de dezembro de 1953, que fixou o quadro administrativo do Estado para o qüinqüênio 1954-1958, criou o distrito de Brejo Novo, ficando

assim, neste qüinqüênio o município de que se trata, constituído dos seguintes distritos: Itaberaba, Brejo Novo, Ibiquera e Tupim.

Gentílico: itaberabense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Itaberaba, pela lei provincial nº 195, de 18-05-1843, subordinado ao município de Camisão.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Orobó, pela lei provincial nº 1715, de 26-03-1877, desmembrado de Camisão. Sede no antigo distrito de Orobó. Constituído do distrito sede. Instalada em 30-07-1877.

Elevado á condição de cidade com a denominação de Itaberaba, pela lei estadual nº 176, de 25- 06-1897.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município aparece constituído de 2 distritos: Itaberaba e Orobó Grande .

Pela lei estadual nº 1022-A, de 25-06-1914, desmembra do município de Itaberaba o distrito de Orobó Grande. Elevado à categoria de vi la.

Pela lei municipal nº 47, de 04-10-1920, aprovada pela lei estadual nº 1470, de 16-05-1921, é criado o distrito de Boa Vista e anexado ao município de Itaberaba.

Pela lei estadual nº 8570, de 29-07-1933, é criado o distrito de Ibiquera e anexado ao município de Itaberaba.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município aparece constituído de 3 distritos: Itaberaba, Boa Vista e Ibiquera.

Assim permanecendo em divisões territor iais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937. Pelo decreto-lei estadual nº 141, de 31-12-1943, confirmado pelo decreto estadual nº

12978, de 01-06-1944, o distrito de Boa Vista tomou a denominação de Tupim.

Em divisão territorial datada de 1-VII- 1950, o município é constituído Itaberaba, Ibiquera e Tupim (ex-Boa Vista).

Pela lei estadual nº 628, de 30-12-1953, é criado o distrito de Brejo Novo (ex-povoado de Belo Horizonte), com terras desmembradas do distrito de Ibiquera e anexado ao município de Itaberaba.

Em divisão territorial datada de 1-VII- 1955, o município é constituído de 4 distritos: Itaberaba, Brejo Novo, Ibiquera e Tupim.

Pela lei estadual nº 1036, de 20-08-1958, desmembra do município de Itaberaba o distrito de Ibiquera. Elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 1-VII- 1960, o município é constituído de 3 distritos: Itaberaba, Brejo Novo e Tupim.

Pela lei estadual nº 1729, de 19-07-1962, desmembra do município de Itaberaba os distritos de Brejo Novo e Tupim. Elevado à categoria de município com denominação de Boa Vista do Tupim.

Em divisão territorial datada de 31-XII -1963, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: IBGE