Esportes

Leão empata e não consegue espantar má fase no Barradão

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Não dá nem para dizer que foram dois pontos desperdiçados, porque o Vitória teve tantas chances de ganhar a partida quanto teve de perdê-la. Mas o empate por 1 a 1 diante do Atlético-GO, lanterna do Campeonato Brasileiro, a oito rodadas do fim do torneio não pode ser comemorado.

Tanto é que o elenco saiu vaiado pela torcida rubro-negra, que, mesmo sem comparecer em massa no Barradão – foram pouco mais de 13 mil pessoas – fez sua parte e apoiou a equipe durante a partida.

Após o fim da partida, integrantes da torcida organizada Os Imbatíveis desceram a ladeira que dá acesso ao centro de treinamento e foi contida pela polícia, que fez uso de gás de pimenta para impedir que chegassem até a diretoria.

Assim, o Vitória chegou aos 34 pontos e caiu uma posição na tabela, chegando ao 18º lugar. Mas o ruim mesmo é a sequência no Barradão, que se mostra a pior possível: duas vitórias, quatro empates e incríveis oito derrotas.

O próximo compromisso do Leão é com o Vasco, no Rio de Janeiro, no próximo domingo. Para continuar sonhando com a permanência na Série A, precisa vencer, pelo menos, quatro das sete partidas finais.

Mas se o empate foi ruim para o Vitória, para o Atlético-GO foi ainda pior: a equipe continua na lanterna da competição com 27 pontos, e vê cada vez mais longe a chance de se salvar do descenso.

O jogo

Como vem acontecendo há várias rodadas, o time do Vitória entrou em campo desconcentrado, com marcação frouxa e sem criatividade para chegar com perigo ao gol da equipe adversária.

Muito avançado e trocando passes sem conseguir chegar na área, o Vitória viu o Dragão, num contra-ataque, ser feliz na sua primeira grande chance.

Aos 12 minutos, Luiz Fernando recebeu bola adiantado, mas o juiz não marcou impedimento. A zaga rubro-negra não conseguiu acompanhar o jogador, que só fez empurrar para o gol de Caíque.

O gol ‘acordou’ o Vitória, mas a equipe ainda não conseguia se organizar de forma eficiente. O que se viu foi muitos chutes em longa distância, passes ruins e cruzamentos errados – até o final do jogo, foram 43 e apenas nove certos. As únicas vezes que o Vitória finalizou foram de fora da área – com chutes de Uillian Correia, aos 26 minutos, e Fred, em cobrança de falta, aos 40.

De volta do intervalo, o treinador Vagner Mancini promoveu a mudança que faria a diferença no time: José Welison no lugar de Fred. Foi dos pés do volante, que fez sua estreia após cirurgia no joelho em abril – que saiu o gol de empate. De fora da área, o atleta deixou tudo igual no placar aos 20 minutos.

A torcida fez barulho com o empate e o time foi no embalo, buscando a virada. Ainda com marcação adiantada, o Vitória buscava incomodar. Nove minutos depois, Kieza caiu na área e o juiz marcou pênalti: em vão. Tréllez foi para a cobrança e bateu a meia altura, no canto esquerdo, para a defesa de Marcos.

Wallace teve também uma chance clara aos 40 minutos, quando mandou a bola no travessão, e, aos 45, Tréllez foi desarmado após bela arrancada de Kieza. No geral, faltou sangue frio, inteligência emocional e mais coerência na marcação para que o Vitória saísse vencedor do Barradão.