Brasil

Japonês da Federal é preso em Curitiba

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Agente Newton Ishii ficou conhecido por escoltar presos e investigados da Lava Jato. Ele está detido na superintendência da PF em Curitiba, para onde são levados os investigados da operação.

A Polícia Federal cumpriu mandado de prisão contra o agente da PF Newton Ishii. O japonês da Federal, como ficou conhecido, se tornou um ícone da Lava Jato por escoltar presos e investigados da operação.

De acordo com a PF, o mandado foi expedido pela 4ª Vara da Justiça Federal de Foz do Iguaçu. O motivo da prisão não foi informado. Ishii está detido na Superintendência da PF em Curitiba, onde estão os presos da Lava Jato.

O agente da PF foi citado na gravação que levou o senador Delcídio do Amaral à prisão. Em um trecho do áudio, na conversa entre Bernardo Cerveró (filho de Nestor Cerveró) e o advogado Edson Ribeiro, Ishii é apontado como o responsável pelo vazamento de informações para a imprensa.

O Japonês da Federal também é réu em uma ação da Operação Sucuri, deflagrada em 2003 para apurar um esquema formado por agentes da PF e da Receita Federal que facilitava o contrabando de produtos ilegais na fronteira com o Paraguai em Foz do Iguaçu (PR). Em março deste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a sentença da Justiça Federal que o condenou por corrupção e descaminho, ao facilitar a entrada no Brasil de produtos contrabandeados do Paraguai.

Fonte: Veja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.