Internacional

Incêndio florestal em Portugal mata mais de 60 pessoas

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Um incêndio florestal de grandes proporções causou a morte de pelo menos 61 pessoas e deixou mais de 50 feridos na região central de Portugal. A vila mais atingida foi Pedrógão Grande, distrito de Leiria. Parte das vítimas morreu carbonizada dentro de seus carros em estradas que foram tomadas pelo fogo. O número de mortes foi atualizado na manhã deste domingo pelo secretário de Estado de Administração Interna do governo português, João Gomes, segundo o jornal português Público.

Informações preliminares indicam que o incêndio teria começado após a queda de um raio em uma árvore seca. As chamas, então, se espalharam “por ventos descontrolados”, transformando-se num “evento impossível de controlar”, segundo o secretário. Neste fim de semana, os termômetros registraram temperaturas acima de 40 graus em diversas regiões de Portugal. O primeiro-ministro português, Antonio Costa, classificou o incidente como “pior tragédia que vimos nos últimos anos em incêndios florestais “.

Mais de 1.600 homens, 495 veículos, e 15 aeronaves foram mobilizados para conter o fogo. As equipes, no entanto, tiveram dificuldades de se aproximar da região porque as labaredas eram intensas. O incêndio teria começado por volta das 15 horas deste sábado (11 horas em Brasília) — ou seja, a operação de combate às chamas já dura mais de 24 horas. Centenas de pessoas tiveram que abandonar as suas casas. O governo português decretou três dias de luto pelo desastre.

Como a maioria dos países da Europa meridional, Portugal é propenso a eventos dessa natureza nos meses secos do verão. “É uma região que já teve incêndios pelas suas florestas, mas não lembramos de uma tragédia dessas proporções”, disse o prefeito de Pedrógão Grande, Valdemar Alves. “Estou completamente assombrado pelo número de mortes”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.