Brasil

Impostômetro atingirá R$ 1,2 trilhão nesta sexta-feira, diz ACSP

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O recolhimento de impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros atingirá, por volta das 10h30 de sexta-feira, 21, a marca de R$ 1,2 trilhão, conforme o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Neste ano, a marca será atingida com 20 dias de antecedência em relação a 2016, quando o registro ocorreu no dia 10 de agosto.

Nesta quinta, 20, o governo federal anunciou o aumento da alíquota de PIS e Cofins sobre combustíveis. “O governo tem que repensar as medidas em razão do aumento arrecadatório (quando olhamos para 2016) e dos sinais de retomada da economia. Assim, agora é um momento totalmente inoportuno para pensar em elevar tributos. O governo precisa fazer um controle eficiente dos gastos públicos e pensar em primeiro lugar na superação da população frente aos problemas financeiros trazidos pela recessão”, diz o presidente da ACSP, Alencar Burti.

Para o economista, a alta de preços dos combustíveis deve refletir no “encarecimento do transporte de mercadorias e passageiros”. Além disso, Burti avalia que “dificilmente” o comerciante não repassará a alta ao consumidor, o que tornará mais lenta a recuperação da economia.

Uma alternativa para o aumento de impostos, entende Burti, seria a intensificação da queda dos juros, que teria o poder de estimular o consumo, contribuindo para a recuperação da atividade econômica e, consequentemente, da arrecadação tributária.

Em tempo real

Desde 20 de abril de 2005, o Impostômetro – instalado no centro de São Paulo – mostra a arrecadação em tempo real. Em 2006 os impostos pagos chegaram a R$ 812,7 bilhões. Para 2007 a estimativa é que ultrapasse R$ 900 bilhões.

O Impostômetro está instalado no prédio da ACSP, rua Boa Vista, 51, e também pode ser visualizado na internet, na página http://www.impostometro.org.br. Pelo site é possível saber o total de impostos pagos de acordo com o estado e os municípios.