Carros

Honda capricha na décima geração do Civic, que ficou mais esportivo e caro

Fazer qualquer alteração nos modelos que disputam a liderança no segmento de sedãs médios exige muita cautela, pois uma aposta errada pode significar mudança radical na posição do ranking. A Honda sabe disso, e caprichou na 10ª geração do Civic, que foi finalmente lançada ontem e estará disponível nas concessionárias da marca a partir de amanhã. O sedã ganhou linhas mais esportivas, com desenho da corroceria lembrando um cupê. Tem quatro versões – EX, EXL e Sport, equipadas com motor 2.0 litros flex, e Touring, com o 1.5 turbo a gasolina –, com opções de câmbio manual de seis marchas e CVT. Os preços vão de R$ 87.900 (Sport manual) a R$ 124 mil (Touring).

Aqui você encontra mais notícias de Itaberaba

No visual, o novo Honda Civic traz mudanças significativas, ganhando aspecto mais esportivo, com a nítida intenção de conquistar um público mais jovem. A frente ganhou grade diferente, com um friso cromado que atravessa toda a sua extensão, indo de um farol ao outro, mas mais largo na parte central. Vincos no capô e para-choque com desenho recortado são detalhes que enfatizam a esportividade. Os faróis são totalmente em LED na versão Touring, assim como os de neblina. Visto de lado, o novo Civic tem o teto arqueado, linha de cintura elevada e traseira curta, com vincos nas portas que reforçam o aspecto aerodinâmico. A traseira é robusta, com lanternas tipo bumerangue e defletor de ar inserido na tampa do porta-malas.A versão de entrada Sport traz de série freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem, assistente para frenagem de emergência, airbags frontais, laterais e de cortina, luzes de rodagem diurna e lanternas em LED, câmera de ré multivisão, rodas de liga leve aro 17, chave canivete com abertura remota, freios de estacionamento eletrônico com função brake hold, piloto automático, volante com regulagem de altura e profundidade, ar-condicionado digital, acabamento interno em tecido, Windows Media Audio, Bluetooth, volante com comandos e tela LCD de cinco polegadas.As versões EX e EXL acrescentam rodas de 17 polegadas com acabamento diamantado, grade frontal cromada, faróis com acendimento automático e revestimento interno em couro. Já a versão topo de linha Touring traz ainda sensores de estacionamento dianteiro e traseiro com alertas sonoro e visual, faróis de LED com acendimento automático, sensor de chuva, teto solar elétrico, botão de partida remota, ar-condicionado digital dual zone, banco do motorista com ajustes elétricos, sistema multimídia com Apple CarPlay e Android Auto, conexão HDMI e tela de sete polegadas tátil com navegador e informações sobre as condições de tráfego.O conjunto mecânico tem duas opções de motorização. O 2.0 flex que equipa as versões Sport, EX e EXL conta com injeção direta de combustível, com potência máxima de 155cv. Na versão Sport ele pode fazer par com o câmbio manual de seis marchas ou CVT, enquanto nas EX e EXL somente com o CVT. Já a versão Touring é equipada com o moderno motor 1.5 turbo a gasolina, com injeção direta de combustível, 173cv de potência e câmbio CVT. A Honda espera vender cerca de 3 mil unidades por mês do novo Civic, sendo 48% da versão Sport, 28% EX e EXL e 24% da Touring.

dentista-aparelho-implante-canal-dente-clinica-ortodontia-itaberaba-noticias-gardel-costa

DIRIGINDO As modificações fizeram bem ao Honda Civic, a começar pelo visual, que realmente conferiu ao modelo aspecto mais esportivo. Além disso o sedã com pinta de cupê ficou maior, mais largo e mais espaçoso, proporcionando conforto para o motorista e passageiros. O banco traseiro é ideal para dois, já que o túnel no assoalho continua ali “roubando” o espaço para as pernas. O acabamento interno é de qualidade, com material emborrachado no painel e boa montagem dos componentes. Os comandos estão bem localizados e os instrumentos são de fácil visualização.Equipando a versão topo de linha, o desempenho do novo motor 1.5 turbo impressiona. O carro é muito ágil nas arrancadas e retomadas de velocidade. A parceria com o câmbio CVT é boa, mas a “brincadeira” fica mais interessante quando se passa para o modo de trocas manuais. É um sedã na mão, equilibrado, com suspensões bem calibradas, e que ainda conta com a ajuda da eletrônica para controlar a tração e a estabilidade nas curvas. O modelo não tem, nem como opcional, sistemas de segurança preventiva, como os que detectam a possibilidade de uma colisão, mas conta com câmera no retrovisor direito para ver o movimento vindo na lateral.

FICHA TÉCNICA

MOTORES – 2.0 iVtec FlexOne de 150cv (gasolina)/155cv (etanol) a 6.300rpm
e 19,3kgfm (g)/19,5kgfm (e) de torque a 4.800rpm/ 1.5 Turbo a gasolina de
173cv a 5.500rpm e 22,4kgfm de torque entre 1.700rpm e 5.500rpm
TRANSMISSÃO – Tração dianteira, com câmbio manual de seis marchas ou CVT
SUSPENSÕES – Dianteira, independente McPherson; traseira, independente,
do tipo multibraços/rodas de liga leve aro 17 polegadas
DIREÇÃO – Pinhão e cremalheira, com assistência elétrica
DIMENSÕES – Comprimento, 4,63 metros; largura, 2,07m; altura, 1,43m; distância
entre-eixos, 2,70m
CAPACIDADES – Porta-malas, 519/525 litros; tanque de combustível, 56
litros; peso, de 1.275 quilos a 1.326 quilos

CONFIRA OS PREÇOS:

Sport manual R$ 87.900
Sport CVT R$ 94.900
EX CVT R$ 98.400
EXL CVT R$ 105.900
Touring CVT R$ 124 mil

Veja também