Notícias

Homem é preso após esfaquear PM na Avenida Paulista

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Um homem foi preso após tentar agredir pedestres e dar uma facada em um policial militar na Avenida Paulista, na madrugada desta sexta-feira (15). Segundo a Polícia Militar, o homem estava visivelmente alterado e teria tido um surto psicótico. Ele estava armado com uma barra de ferro e com uma faca.

No momento do chamado, ele estaria tentando danificar carros que passavam pela avenida localizada na região central de São Paulo e uma loja de roupas nas proximidades do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Agentes da polícia o abordaram. Nesse momento, um dos policiais levou uma facada e teve lesões leves. O PM foi enviado ao Pronto Socorro do Hospital das Clínicas, foi liberado e passa bem. O caso foi encaminhado para o 78º Distrito Policial dos Jardins.

Apesar a lesão do PM na madrugada de sexta ter sido leve, a realidade enfrentada no dia a dia é outra pelos agentes é bem diferente. A cada dois dias, sete policiais feridos são afastados do trabalho no Estado de São Paulo.

De acordo com dados das Juntas Médicas da PM, 249 policiais ficaram incapacitados para o trabalho de 2015 a junho de 2017 – são 7,9% do total de 3 131 homens que obtiveram licenças médicas principalmente em razão de acidentes, ferimentos com armas de fogo e armas brancas.

Os afastamentos por acidentes deixaram os policiais de 30 a 90 dias longe do trabalho, em média. Já entre os que foram vítimas de disparos de armas de fogo, a média de afastamento é de 45 dias.