Notícias

Guerra da Rocinha segue para 10º dia com espera por rendição

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A ação policial que combate a guerra pelo controle do tráfico de drogas na Rocinha, Rio de Janeiro, se encaminha para seu 10º dia com a expectativa pela rendição de Rogério Avelino da Silva, o “Rogério 157”, um dos protagonistas do conflito. Segundo a Polícia Federal, familiares do traficante entraram em contato para negociar uma possível entrega, o que poderia colocar fim às disputas na comunidade, mas as conversas ainda não avançaram.

A “guerra da Rocinha” eclodiu no último dia 17 de setembro, quando aliados de Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, que está preso em uma penitenciária federal em Rondônia, invadiram a favela para retomar o controle sobre o tráfico de drogas no local.

Nem chefiou o crime organizado na comunidade até 2011, quando foi capturado e cedeu lugar a Rogério 157, seu ex-segurança. Antigos aliados, os dois romperam no ano passado, culminando na expulsão de Danúbia de Souza Rangel, esposa de Nem, da Rocinha, o que deu início à guerra.

Desde a invasão por parte do bando de Nem, a favela vem sendo palco de constantes tiroteios e operações da polícia, que tenta capturar Rogério – não se sabe se ele continua na comunidade, que passou a ser ocupada pelo Exército para conter a violência.

A principal missão das Forças Armadas é fazer um cerco à Rocinha para facilitar as ações das polícias Civil e Militar na região. Desde 17 de setembro, as forças de segurança já capturaram 10 pessoas e apreenderam 14 fuzis, 15 granadas, 10 bombas caseiras e seis pistolas.

Nesta segunda-feira (25), nono dia desde o início do conflito e o quarto da operação do Exército, as nove escolas da comunidade permaneceram fechadas, deixando 3,3 mil alunos sem aula, mas não houve novos confrontos. Os tiroteios já causaram seis mortes e deixaram cinco feridos. Com informações da Ansa.