Política

Geddel está em Salvador e cumpre prisão domiciliar sem tornozeleira

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) está, desde a madrugada desta sexta-feira, 14, cumprindo prisão domiciliar em Salvador, após dez dias preso na Papuda, em Brasília, por ordem do juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal.

Geddel chegou à capital baiana  em um jatinho particular. No pequeno grupo que o acompanhava estava a filha mais velha, de 18 anos.

Do aeroporto, o peemedebista seguiu para seu apartamento, no condomínio Pedra do Valle, que fica na rua Plínio Moscoso, no Jardim Apipema.

A imprensa acompanhou durante toda a sexta a movimentação na porta do condomínio, na expectativa de obter alguma informação do ex-ministro. Moradores e funcionários disseram nada saber.

Pessoas próximas a Geddel informaram que ele reservou o dia para estar apenas com familiares. Na noite de quinta-feira, dia que foi anunciado que o peemedebista seria solto, a esposa de Geddel, com quem está casado há 20 anos, foi vista na Perini da Graça. No carrinho, garrafas de vinhos, uísque e queijos.

Tornozeleira

Geddel foi preso no âmbito da Operação Cui Bono acusado de pressionar a mulher do doleiro Lúcio Funaro, Raquel Pitta, para evitar que ele faça delação premiada.

Ao tirar Geddel do regime fechado, o desembargador federal Ney Bello impôs uma condição: a instalação da tornozeleira no ex-ministro, cujo monitoramento eletrônico ficaria sob a responsabilidade da Polícia Federal na Bahia.

O magistrado deu 48 horas para a superintendência regional da PF tomar a providência. Mas nesta sexta, a PF em Salvador afirmou em nota que não dispões desse sistema e que “tal função não é afeta à atividade de polícia judiciária desempenhada pela Polícia Federal, e sim ao sistema prisional, seja ele o federal ou o estadual”.

A nota da PF diz, ainda, que a impossibilidade de cumprimento da decisão judicial foi informada à 10ª Vara Federal do DF.

Licitação

A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado da Bahia (Seap) informou que não possui tornozeleiras eletrônicas no momento. A pasta garante que abriu duas licitações para aquisição do equipamento.

Em nota, a Seap-BA informa que a primeira licitação visa a aquisição de 300 tornozeleiras eletrônicas com recurso federal e estadual, e a segunda prevê a obtenção de 3.200 tornozeleiras com recurso próprio do governo do Estado.

“A primeira licitação está em fase final de homologação e a Seap prevê a chegada do equipamento no mês de agosto do ano corrente. Quanto à segunda licitação, ainda não é possível estipular o prazo em virtude dos trâmites legais do processo licitatório”, diz a nota.

A TARDE entrou em contato com a assessoria de imprensa do Tribunal Regional da 1ª Região (TRF-1), em Brasília, a fim de saber que solução o desembargador federal Ney Bello dará para o caso, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.