Notícias

Frota é condenado por atribuir fala falsa sobre pedofilia a Jean Wyllys

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O ator e deputado federal eleito por São Paulo, ALexandre Frota (PSL), foi condenado nesta terça-feira (18) por injúria e difamação em processo do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ). Ele deve pagar multa de R$ 295 mil e pegou uma pena em prisão que foi revertida para prestação de serviços, mas ainda cabe recurso da decisão. A informação é da Folha de S. Paulo.

Em abril do ano passado, Frota postou em um perfil seu em rede social uma foto de Wyllys com a frase “A pedofilia é uma prática normal em diversas espécies de animal (sic), anormal é o seu preconceito”, atribuindo ao parlamentar a fala.

Foram quase 10 mil compartilhamentos e mais de 4 mil curtidas na postagem. O problema é que a frase nunca foi dita por Wyllys, que buscou a Justiça.

Na Justiça Federal de São Paulo, Frota foi condenado a 2 anos e 26 dias de prisão, pena que deveria ser cumprida em regime aberto – mas foi substituída por prestação de serviços comunitários e limitações nos finais de semana. Também foi condenado a pagar 620 dias-multa pelos crimes, o que dá cerca de R$ 295 mil.

“A frase foi criada com a finalidade de difamar Jean Wyllys, causando na comunidade cibernética o sentimento de repúdio por empatia emocional com as vítimas de pedofilia”, diz a decisão da Adriana Freisleben de Zanetti. Na defesa, Frota pediu que a Justiça não recebesse a queixa-crime, afirmando que a “vontade de retratação cabal às ofensas geraria a extinção da punibilidade, independente da vontade do autor”.

A condenção não impede que Frota assuma o cargo para o qual foi eleito, já que esse tipo de infração não está na Lei da Ficha Limpa.