Educação

Fraude no ENEM

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Polícia Federal prende 11 pessoas em operações contra fraudes no Enem.

A Polícia Federal prendeu neste domingo (6), de forma preventiva, pelo menos 11 pessoas que faziam a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) com ponto eletrônico, que permite fraude da prova. O número de presos é resultado de duas operações da PF que continuam em andamento e podem gerar mais prisões.

Foram deflagradas a Operação Embuste, para desarticular organização criminosa especializada em fraudar processo seletivo para ingresso no ensino superior em Minas Gerais, e a Operação Jogo Limpo, que também busca reprimir fraudes, nos Estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Paraíba, Tocantins, Amapá e Pará. Neste caso, a Polícia Federal acredita que o grupo pode ter fraudado edição anterior do Enem.

De acordo com a Polícia Federal, a modalidade mais comum de fraude em provas é o piloto. Uma vaga em uma faculdade pode custar, nesses esquemas, de R$ 40 mil a R$ 200 mil. Nesse modelo, a fraude pode ocorrer de duas formas: o piloto se passa pelo inscrito na prova e preenche os resultados ou o piloto, geralmente especializado no tema, faz a prova, transmite a resposta a uma central, que repassa ao aluno.

Se as fraudes forem confirmadas, a perspectiva é de pena máxima de até 20 anos, dependendo da participação dentro do grupo, segundo a Polícia Federal. Os presos poderão responder pelos crimes contra a fé pública, o patrimônio e a paz pública.

O delegado da Polícia Federal Franco Perazzoni relatou que, em uma das prisões deste domingo, a escuta encontrada era tão pequena que precisou ser retirada do ouvido do inscrito com uma pinça.

O desafio de combater efetivamente uma fraude num certame desta magnitude não é coisa fácil, disse.

fraude-enem-2016
Aparelho e fone utilizado para fraudar o ENEM

A operação Embuste cumpriu simultaneamente 28 mandados judiciais expedidos pela Justiça Federal de Montes Claros,15 de busca e apreensão, cinco de sequestro de bens, quatro prisões temporárias e quatro conduções coercitivas.