Celebridades e Entretenimento

Filme com Cauã Reymond relembra feridas de guerra

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O sorriso largo, o jeitão de bom moço, a simpatia sedutora não estão lá. E nem poderiam mesmo. Em Não Devore Meu Coração, primeiro longa do diretor carioca Felipe Bragança, Cauã Reymond não vive nada de bom. Angustiado com o desajuste familiar, recalcado com escolhas que não foram suas e dono de uma ética bastante questionável, ele é o príncipe dos bad boys que habitam o lado brasileiro da fronteira que divide o Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

Assim, amarra a cara do início ao fim para encarnar o motoqueiro Fernando no filme que recria de forma muito peculiar as agruras da Guerra do Paraguai (1864–1870), a mais sangrenta da América Latina. “Gosto de encarar o Fernando como uma pessoa que cruza uma fronteira sem volta, bem violenta, faca na caveira”, explica o ator, a quem coube conduzir o lado realista da trama.A parte lúdica, em tom de fábula, está na mão dos estreantes Eduardo Macedo e Adeli Gonzales, que vivem, respectivamente, Joca (irmão caçula de Fernando) e a índia Basano, espécie de símbolo da resistência guarani até hoje. Juntos, vivem um amor impossível. Inimigos por herança cultural e política até hoje.

O elenco, a propósito, é quase todo formado por não atores, recrutados depois de uma pesquisa de quatro anos. “Comecei a visitar o local para saber o quanto da guerra ainda está presente no imaginário da região. E percebi que a Guerra do Paraguai não acabou, ainda está muito presente na atitude das pessoas. O Brasil ainda está querendo se impor ali”, conclui Bragança.

O jovem Joca (Eduardo Macedo) vive as angústias do primeiro amor com a índia Basano (Adeli Gonzales) (foto/divulgação)

O combate propriamente dito está na rixa entre os motoqueiros. No lado brasileiro, a Gangue do Calendário, em nome da qual Fernando defende o extermínio dos “instrusos”. No lado guarani, há a gangue do primo de Basano, que também não alivia a pressão. Cauã diz estar ciente da tensão e que foi bem recebido no Paraguai, mas preferiu não se inserir: “No filme, fica claro que a guerra atrapalha muito a relação dos personagens”.

Ao contrário de outros filmes que usam atores amadores e intensificam o saber intuitivo com oficinas técnicas, em Não Devore Meu Coração o trabalho de ator é primário. Felipe Bragança (corroteirista de Praia do Futuro, de Karim Aïnouz) expôs o sentimento genuíno daquela população, o que acabou atrapalhando o processo mas não o desfecho dramático.

Horários de exibição:

 UCI Orient Shopping da Bahia 2  14h40 | 17h | 19h20 | 21h40  UCI Orient Shopping Barra 6 (delux)  10h40 (M) | 13h | 15h20 | 17h50 | 20h10 | 22h30  UCI Orient Shopping Paralela 1  13h50 | 16h10 | 18h30 | 20h50 | 23h10 (S)  Cinépolis Bela Vista 5  14h (exceto sábado e domingo) | 16h30 | 19h10 (sábado e domingo) | 21h30