Esportes

Fernando Miguel pega pênalti, Vitória vence Coritiba e deixa o Z4

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Leão conseguiu o terceiro triunfo consecutivo fora de casa; 1×0, gol de Kanu

O Vitória de Vagner Mancini, definitivamente, é um leão fora de casa. Nesta segunda-feira (28) o rubro-negro confirmou a reação na Série A ao conquistar o terceiro triunfo consecutivo longe de Salvador. Depois de Flamengo e Corinthians, foi a vez do Coritiba sucumbir, por 1×0, no estádio Couto Pereira, em Curitiba.

Com os três pontos, o Vitória deixou a zona de rebaixamento para trás. Terminará a 22ª rodada em 16º, com 25 pontos – Grêmio e Sport encerram a rodada no sábado (2) e não influenciam na posição do time baiano. A diferença do rubro-negro para a Chapecoense, 17ª colocada, é de um gol de saldo: -8 contra -9 da Chape. O Leão não dormia fora do Z4 desde a 8ª rodada.

Com o quarto triunfo em seis jogos, Mancini ampliou ainda mais o seu aproveitamento à frente do rubro-negro. Agora são 72%, bem próximo do líder, Corinthians, que tem 75% em todo o campeonato. Sob seu comando, a equipe ainda não sofreu gol como visitante.

O próximo compromisso é apenas no dia 10 de setembro, desta vez em casa, no Barradão. O adversário será o Fluminense, às 16h.

Início feio

Após dois resultados tão positivos fora de casa, o Vitória procurou repetir a receita no Couto Pereira: entregou a bola para o Coritiba e buscou o contra-ataque na velocidade de David e Neilton. O problema é que o Coxa sofria com sua própria limitação técnica e, diferentemente de Corinthians e Flamengo, não atacava tanto o Leão, que, consequentemente, não teve espaço.

O resultado disso foi que os primeiros 35 minutos foram de um autêntico jogo feio. O único lance que mereceu a atenção do torcedor aconteceu aos 11 minutos, quando Alecsandro ajeitou de peito um cruzamento na área, Iago Dias dividiu com Kanu, e Rafael Longuine empurrou para o gol, mas o árbitro marcou impedimento.

Nos dez minutos finais da etapa inicial, o duelo esquentou, e muito. Aos 36 minutos, o Vitória teve sua melhor chance: David recebeu de Neilton pela esquerda, entrou na área e chutou em cima de Wilson.

Aos 41, o Coritiba teve um pênalti a seu favor. Ramon cortou de carrinho uma jogada de linha de fundo de Rildo, mas a bola acabou batendo na mão do zagueiro. Na cobrança, Rafael Longuine cobrou à meia altura e Fernando Miguel mostrou um dos seus melhores talentos. Defesaça.

A etapa final começou tão quente quanto terminou a inicial. A diferença é que o Vitória abdicou bem menos da bola, e com isso conseguiu igualar as chances de ataque com o Coritiba. A primeira chance foi do Coxa. Aos 2 minutos, Alan Santos desviou cobrança de escanteio, a bola triscou em Uillian Correia e passou raspando pela trave direita de Miguel.

Apesar disso, o Vitória amadureceu bem mais o gol. Começou aos 4, em bela jogada de David, que driblou dois e cruzou rasteiro da esquerda. A bola passou por todo mundo, inclusive por Tréllez e Neilton, que completamente livre, não conseguiu dominar.

Por volta dos 15 minutos, o Leão abdicou da estratégia do contra-ataque e passou a trocar passes na intermediária do adversário. Assim, passou também a correr riscos: aos 20, Rildo desviou cruzamento e a bola foi torta em direção ao gol; Fernando Miguel mandou para escanteio.

Foi ocupando o ataque que saiu o gol rubro-negro, e num erro do Coritiba aos 22 minutos. Após cobrança de escanteio, Rildo cabeceou para trás, dando a bola de presente para Patric. O ala, adiantado, ajeitou para Ramon, que chutou colocado para a defesa parcial de Wilson; no rebote, Kanu só fez empurrar para o gol vazio.

À frente do placar, Mancini, naturalmente, fechou o Vitória. Ainda contou com a colaboração do adversário: aos 35 minutos, em jogada de bola parada, Márcio chutou Tréllez e viu o cartão vermelho direto. Nos acréscimos, ainda deu tempo de Yago agarrar Anderson, que revidou e os dois também acabaram expulsos.