Itaberaba

Estudantes da Escola Pedra que Brilha fazem caminhada e debatem Consciência Negra

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Cerca de 400 estudantes da Escola Municipal Pedra que Brilha participaram da caminhada que ampliou os debates e a visibilidade da Consciência Negra em Itaberaba, na Chapada Diamantina, nesta quinta-feira (23). E como a literatura brasileira mostra o tempo todo que só há uma forma de mudar o mundo: pela educação, os núcleos docente e discente da escola municipal tomaram as ruas em homenagem ao 20 de novembro e a Zumbi dos Palmares.

“Esse evento é resultado do projeto interdisciplinar desenvolvido em sala de aula intitulado ‘Heranças Culturais Africanas: Contribuição na Formação do Povo Brasileiro’, que buscou apresentar um novo olhar sobre a diversidade, sendo que tal objetivo atende os dispositivos da Lei 10.639/2003, que versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana, além de ressaltar a importância da cultura negra na formação da sociedade brasileira e na Lei 11.645/2008 que orienta como trabalhar a Literatura e a Cultura Afro-indigena em sala de aula”, explica a coordenadora pedagógica da unidade de ensino, Valtercia Daltro Ferraro.

Ainda conforme Ferraro, a culminância do projeto envolveu toda equipe escolar, ou seja, a direção escolar, coordenação pedagógica, professores, pessoal de apoio além da comunidade escolar. Durante o percurso, os estudantes apoiados pelo corpo administrativo da escola, que tem a direção da professora Eleuze Maria Leão Sampaio, carregavam faixas com inscrições de conscientização à comunidade e repetiam gritos de ordem como: ‘Racismo é Burrice’, ‘Diga Não ao Racismo’.