Notícias

Enem: quadrilha conseguiu o gabarito antes do exame, diz PF

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Investigadores da Polícia Federal acreditam que a quadrilha que fraudou o Enem tenham conseguido com antecedência as respostas para a de Ciências da Natureza e suas Tecnologias, cuja pontuação é decisiva para a seleção de cursos de medicina. O inquérito ainda não foi concluído, mas são fortes os indícios de que as questões foram vazadas antes do exame, segundo mostrou a edição deste domingo do programa Fantástico, da Rede Globo.

O programa revelou diálogos entre membros da quadrilha e seus clientes por ponto eletrônico. ‘Eu tô com o gabarito da Prova Azul, beleza?’, diz um dos integrantes do bando, ainda não identificado, a um candidato no Ceará, em ligação feita apenas seis minutos depois do fechamento dos portões. ‘Quer anotar logo ou quer esperar a prova? Melhor anotar logo’, orienta. Segundo apurou o Fantástico, o candidato, que a PF identifica como Antonio Diego Lima Rodrigues, começou a receber as respostas meia hora depois da primeira ligação: ’46, b; 47, c; 53, d…’

Antonio Diego foi preso no dia seguinte à prova. Disse que é enfermeiro e secretário de Saúde em Alto Santo, no interior do Ceará. Estava tentando ingressar em uma faculdade de medicina e admitiu que já se passou por médico no Piauí. Segundo ele, Olavo Martins, membro da quadrilha, ofereceu o serviço de cola eletrônica por entre 40 e 50 mil reais.

À polícia, Olavo negou trabalhar para a quadrilha, mas admitiu que prestou o Enem no lugar de outra pessoa, Rodrigo Ferreira Viana, que os investigadores acreditam ser o líder do bando. Viana também foi preso e contou, ainda segundo o Fantástico, que uma candidata que contratou a cola eletrônica pagaria 100 mil reais pelas respostas.

Essa candidata é Sofia Azevedo Macedo. Em outra gravação revelada neste domingo, Felipe Alan Araújo Nunes passa as respostas do Enem à Sofia. Conforme o combinado, a quadrilha identificaria o começo da pergunta e o começo da resposta: “‘Em sua fórmula’, ‘solubilidade do óleo’. ‘Portadores’, ‘desidratação’. ‘Um pesquisador’, ‘mexilhões’”. A candidata foi presa em flagrante, pagou fiança e foi solta. Segundo a defesa, ela foi vítima da quadrilha.

A PF ainda não sabe como o bando teve acesso ao gabarito antes do início da prova.