Educação

Enem: Justiça Federal do Ceará nega pedido de suspensão do exame

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A Justiça Federal no Ceará indeferiu o pedido do Ministério Público Federal (MPF) para suspender a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em todo o país. Com a decisão, a prova fica mantida para este sábado, 5, e domingo, 6, para a maioria dos candidatos. Para aqueles que fazem o teste em escolas ocupadas, o exame será aplicado nos dias 3 e 4 de dezembro.

A juíza federal Elise Avesque Frtota decidiu em liminar que “apesar da diversidade de temas que inafastavelmente ocorrerá com a aplicação de provas de redação distintas, verifica-se que a garantia da isonomia decorre dos critérios de correção previamente estabelecidos, em que há ênfase na avaliação do domínio da língua e de outras competências que não têm ‘o tema’ como ponto central”.

O Ministério Público Federal do Ceará (MPF-CE) havia pedido, na última quarta-feira, a suspensão do Enem. O procurador da República Oscar Costa Filho, autor do pedido, argumentava que o adiamento da prova para mais de 190.000 candidatos feria o princípio da isonomia.

Anunciado nesta semana pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o adiamento de parte dos exames foi provocado pela ocupação nas escolas onde 191.000 alunos deveriam fazer as provas.

O problema que levou ao pedido de suspensão, segundo o procurador, estaria no fato de não poder ser aplicada na Redação a teoria da resposta ao item (TRI, um método de avaliação que diferencia as questões entre fáceis, médias e difíceis). “As provas objetivas seguem a TRI, o que equilibra as chances. Mas as redações, não. Isso prejudicaria os candidatos. Logo a redação que, muitas vezes, decide a classificação”, sustentava o procurador.