Brasil

Dinheiro Esquecido: Baianos possuem mais de 48 milhões sem resgatar no PIS

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Valor do PIS ‘esquecido’ pelos baianos ultrapassa os R$ 48 milhões; veja se você tem dinheiro.

55,4 mil trabalhadores baianos ainda não sacaram o PIS/Pasep do calendário de pagamento de 2015/2016

Com apenas três semanas para terminar o prazo, mais de 55,4 mil trabalhadores baianos ainda não sacaram o PIS/Pasep do calendário de pagamento de 2015/2016. Cada um deles tem direito ao abono no valor de um salário mínimo vigente (R$ 880).  O dinheiro deverá ser retirado, exclusivamente, nas agências da Caixa Econômica e do Banco do Brasil. Na Bahia, o valor não sacado é superior a R$ 48,7 milhões. O  prazo final para retirar o dinheiro vence no próximo dia 30. Após essa data, os recursos que não foram sacados retornam para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), administrado pelo governo federal, e usados, entre outras finalidades, para ações de qualificação de trabalhadores.

 Segundo o Ministério do Trabalho, têm direito ao abono salarial de 2015 as pessoas cadastradas no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos; com remuneração mensal média de até dois salários mínimos durante o ano-base de atribuição do benefício; e que exerceram atividade remunerada durante pelo menos 30 dias em 2014. Além disso, o trabalhador tem que ter seus dados informados pelo empregador (pessoa jurídica) corretamente na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), documento enviado pelos empregadores ao ministério anualmente.
 Números

Em todo o Brasil, 23,6 milhões de trabalhadores têm direito a receber o abono salarial referente ao ano-base de 2014. Desse total, 21,5 milhões já fizeram os saques. Os dois milhões que ainda não acessaram o recurso representam 8,7% dos trabalhadores beneficiados, o que corresponde ao montante de R$ 1,7 bilhão não sacados. O estado com o maior número de trabalhadores que ainda não retiraram o abono salarial do PIS/Pasep é São Paulo, onde 684.937 pessoas ainda não resgataram o benefício. Atrás de São Paulo estão os estados de Minas Gerais (197.428 pessoas) e do Rio de Janeiro (180.639 pessoas).

O Ministério do Trabalho informou ontem que tem enviado correspondências aos endereços de domicílio dos trabalhadores que têm direito a sacar o benefício. “Pretendemos alcançar com o envio das comunicações a aproximadamente 1,2 milhão de beneficiários que estão com o endereço válido na base de dados”, explicou o coordenador do Seguro-Desemprego e Abono Salarial do ministério, Márcio Ubiratan Brito.

Segundo ele, a correspondência enviada é apenas um lembrete, e o trabalhador que faz jus ao benefício não precisa aguardar a carta para sacar o abono nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal.

Nos últimos três anos, a operadora de telemarketing Ana Cristina Santos tem recebido o benefício do PIS. “Saquei o abono no mês de janeiro, assim que ele foi liberado. Veio na hora certa, porque eu tinha ficado desempregada em maio do ano passado, e já tinha recebido as cinco cotas do seguro-desemprego”, conta. O dinheiro, segundo Ana Cristina, foi usado para pagar contas que já estavam atrasadas e outras pequenas despesas. “Todo ano, eu já conto com esse dinheiro extra”, completou.

Benefício
O Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) são contribuições sociais com o objetivo de financiar o pagamento do seguro-desemprego e abono salarial. O PIS é destinado aos funcionários de empresas privadas que são contratados com carteira assinada e regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O pagamento do PIS é de responsabilidade da Caixa Econômica. O Pasep é devido aos servidores públicos e seu pagamento é realizado pelo Banco do Brasil.

De acordo com o Ministério do Trabalho, o calendário para pagamento do abono salarial correspondente ao ano-base de 2015 deve ser definido até o final deste mês.

Informações sobre o abono salarial 2015/2016

Quem tem direito 

Quem for cadastrado nos programas (PIS/Pasep) há pelo menos cinco anos;

Ter recebido remuneração mensal média de até dois salários mínimos durante o ano-base;

Ter exercido atividade remunerada para pessoa jurídica, durante pelo menos 30 dias, consecutivos ou não, no ano-base considerado para apuração;

Ter seus dados informados pelo empregador (pessoa jurídica) corretamente na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Saque

No caso do PIS, antes de sacar, o trabalhador que tem conta individual na Caixa deve verificar se o benefício não foi depositado. Caso possua Cartão do Cidadão, o beneficiário pode sacar em um dos terminais de autoatendimento da Caixa ou em uma casa lotérica. Se o trabalhador não tiver o Cartão do Cidadão, o abono pode ser retirado em qualquer agência da Caixa.

No caso do Pasep, os trabalhadores também devem verificar se houve algum depósito na conta. Para sacar, o servidor deve se dirigir a uma agência do Banco do Brasil e apresentar um documento de identificação.

Documentação  

Para sacar o benefício nas agências da Caixa e do Banco do Brasil, o trabalhador deve apresentar um documento de identificação oficial com foto. É recomendável levar também a carteira de trabalho e o número de inscrição no programa (PIS ou Pasep).

Informações

Mais detalhes  sobre o direito ao saque também podem ser obtidos pela Central de Atendimento Alô Trabalho – 158; pelo 0800-7260207, da Caixa; e pelo 0800-7290001, do Banco do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.