dentista-aparelho-implante-canal-dente-clinica-ortodontia-itaberaba-noticias-gardel-costa

Siga ITABERABA nas redes sociais


 
Empregos

Desemprego está alto, mas há setores em que falta mão-de-obra | Economia | Notícias | VEJA.com

Em meio à crise política e econômica que afeta milhões de brasileiros, o mercado de trabalho passa por uma dificuldade de contratação.

O desemprego é uma das faces mais visíveis — e um dos reflexos mais danosos — da atual recessão econômica brasileira, a mais severa desde, pelo menos, o início da década de 1930. No trimestre encerrado em maio, 11,4 milhões de pessoas estavam sem ocupação, ou 11,2% da força de trabalho do país, segundo a edição mais recente da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas a falta de trabalho não impede que alguns setores ainda penem com um mal que parecia um fenômeno restrito aos dias em que o Brasil viveu um cenário de pleno emprego, com taxa de desocupação inferior a 5%: a escassez de profissionais.

Em um levantamento exclusivo, elaborado a pedido do site de VEJA, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que esse mal persiste — e que, em setores importantes, a falta de qualificação ainda impede o preenchimento de vagas. Resultado: mesmo depois de ver sua economia encolher 3,8% em 2015 e ter retração superior a 3,5% projetada para este ano, o Brasil é um dos cinco países que mais têm dificuldade para contratar, segundo pesquisa da consultoria americana ManpowerGroup.

O agronegócio, uma das forças do comércio externo brasileiro e setor em que a mecanização e o uso de tecnologia só fazem crescer, é um dos que têm tido dificuldade para contratar. Segundo o estudo da CNC, nos últimos doze meses (até abril), foram geradas 380 vagas para a produção das chamadas plantas fibrosas, entre as quais aparece o algodão. Mesmo com um aumento salarial oferecido a esses profissionais – responsáveis por preparar o solo, executar o plantio e efetuar reparos e manutenção em máquinas e equipamentos – de em média, 144% ao longo desses doze meses, nem todas vagas foram ocupadas.

Olmiro Flores, diretor da Agrosul Máquinas, localizada no polo agrícola de Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, atesta o fenômeno. A baixa qualidade da mão de obra e a resistência de alguns profissionais de mudar para cidades do interior do Brasil ajudam a explicar a dificuldade para preencher os postos, afirma. E há também uma espécie de fenômeno geracional, avalia Flores. “O pessoal que acabou de se formar quer ganhar um salário alto logo de cara, o mesmo que recebe uma pessoa com mais experiência”, diz ele, conhecido no oeste baiano como Chico. “Isso é um problema. Esses jovens querem sair da faculdade como se fossem superiores. Tem que trabalhar, tem que aprender, tem que se submeter.”

Fonte: Desemprego está alto, mas há setores em que falta mão-de-obra | Economia | Notícias | VEJA.com

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.