Saúde

Depressão, mesmo quando tratada, aumenta risco de AVC

De acordo com o estudo, o risco de AVC permanece 66% maior em pessoas que tiveram depressão prolongada por mais de dois anos, mesmo após receberem tratamento.
De acordo com o estudo, o risco de AVC permanece 66% maior em pessoas que tiveram depressão prolongada por mais de dois anos, mesmo após receberem tratamento.

Quem tem depressão já precisa lidar com os graves sintomas do transtorno como tristeza, distúrbios do sono e falta de energia. Uma nova pesquisa, publicada pela revista científica Journal of the American Heart Association, traz mais uma notícia ruim: pessoas deprimidas correm um risco maior de sofrer acidente vascular cerebral (AVC).

Aqui você encontra mais notícias de Itaberaba

O estudo, liderado por pesquisadores da Universidade de Harvard, analisou dados de 16.000 adultos com mais de 50 anos. Durante dois anos, os participantes responderam questões sobre seu histórico médico, fatores de risco cardiovascular e sintomas de depressão. O acompanhamento foi feito por nove anos.

dentista-aparelho-implante-canal-dente-clinica-ortodontia-itaberaba-noticias-gardel-costa

Segundo os resultados, aqueles que relataram três ou mais sintomas de depressão, por quatro anos consecutivos, tiveram um risco 114% maior de sofrer um derrame, em comparação com pessoas que nunca tiveram o distúrbio. O risco permanecia 66% maior mesmo entre os pacientes que haviam recebido tratamento.

Ainda não está claro como depressão prolongada pode levar ao AVC, mas acredita-se que o risco elevado esteja relacionado aos hábitos pouco saudáveis como fumo, consumo excessivo de álcool e falta de exercício — geralmente comuns em quem tem a doença. Além disso, a depressão também pode provocar alterações biológicas no organismo, como o aumento da resposta inflamatória. Estudos anteriores já associaram a depressão com um risco maior de diabetes tipo 2 e morte cardiovascular.

De acordo com o estudo, a depressão demora mais de dois anos até influenciar o aumento de risco. “Os resultados sugerem que os sintomas depressivos merecem atenção imediata logo que começam a aparecer. É importante que os pacientes sejam tratados de forma precoce, antes que a doença seja capaz de aumentar o risco de acidente vascular cerebral”, disse Paola Gilsanz, principal autora do estudo.

O acidente vascular cerebral (AVC) é uma das principais causas de morte ao redor do mundo e ocorre quando há interrupção do fluxo sanguíneo para o cérebro. O problema normalmente acontece porque um vaso sanguíneo estoura ou fica bloqueado por um coágulo, privando o cérebro de oxigênio e prejudicando o tecido.

Embora menos letal, a depressão é um distúrbio que afeta cerca de 350 milhões de pessoas no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Mais da metade dos doentes não recebe tratamento porque não recebe o diagnóstico correto.

Controlar a hipertensão

A hipertensão é a principal desencadeadora do AVC, isquêmico ou hemorrágico. Ela pode causar lesões nas paredes internas das artérias, tornando-as menos elásticas e mais predispostas a entupimento e endurecimento. “O tratamento da hipertensão, feito por meio de medicamentos, dieta e prática de atividade física, diminui em 90% o risco de um derrame em hipertensos”, afirma Adriana Conforto, neurologista chefe do Grupo de Doenças Cerebrovasculares do Hospital das Clínicas, em São Paulo. Segundo ela, um estudo feito no Hospital das Clínicas de São Paulo mostrou que 80,5% dos pacientes admitidos por AVC isquêmico no pronto-socorro apresentavam antecedente de hipertensão arterial.

Exercitar-se

A prática de atividades físicas pode ajudar no controle do peso, na saúde do coração e na redução do risco de diabetes, hipertensão arterial e formação de coágulos sanguíneos — condições que podem levar ao derrame. Assim, exercitar-se melhora diversos fatores que aumentam o risco de AVC.

 

Monitorar o peso

A obesidade e o sobrepeso podem desencadear hipertensão e diabetes, fatores de risco do AVC. “Quem está acima do peso tem maior probabilidade de sofrer um derrame”, diz Antonio Cezar Galvão, neurologista do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho, em São Paulo. O cálculo do índice de massa corpórea (IMC), medida que relaciona altura, peso e nível de gordura, ajuda a determinar se o indivíduo está com o peso ideal.

Reduzir o colesterol

Altos níveis de LDL (conhecido como colesterol “ruim”) no sangue favorecem a aterosclerose, que se caracteriza pela formação de placas de gordura nas paredes das artérias. A doença estreita e enrijece esses vasos e dificulta o fluxo sanguíneo. A lesão na parede das artérias pode, ainda, levar à formação de coágulos e, logo, ao AVC isquêmico. Uma dieta saudável e pobre em gorduras saturadas e trans ajuda a proteger a saúde cardiovascular.

 

Tratar o diabetes

O diabetes é o segundo principal fator de risco do AVC, por piorar a hipertensão arterial e contribuir na formação da aterosclerose. “O diabetes enrijece a parede arterial, que favorece o acúmulo de gordura no vaso, aumenta os níveis de insulina no sangue e altera o sistema circulatório e metabólico”, diz Caio Focássio, cirurgião vascular da Santa Casa de São Paulo e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Esse cenário facilita o surgimento de coágulos, que podem chegar ao cérebro, obstruir uma artéria e, assim, levar ao AVC isquêmico.

Seguir uma dieta balanceada

Alimentar-se bem é crucial para controlar o peso, a hipertensão, o diabetes e o colesterol. De acordo com Adriana Conforto, os três principais mandamentos de uma dieta anti-AVC são ingerir sal moderadamente (isto é, consumir no máximo 3 colheres [café] rasas por dia), comer oito a dez porções de frutas, verduras e legumes diariamente e, por fim, manter distância de alimentos gordurosos, principalmente aqueles com altos níveis de gorduras saturadas — como frituras e manteiga.

 

Ter uma gravidez saudável

A pré-eclâmpsia, doença que atinge entre 6 e 10% das gestantes, aumenta a pressão arterial e causa uma perda de proteínas pela urina na fase final da gravidez. Segundo a Associação Americana do Coração, mulheres com pré-eclâmpsia têm duas vezes mais probabilidade de sofrer um derrame — condição que, por sua vez, atinge três em cada 10 000 grávidas. A recomendação geral é que mulheres enquadradas no grupo de risco (aquelas com hipertensão crônica, diabetes e obesidade, por exemplo) tomem doses baixas de aspirina a partir do segundo trimestre de gestação. O médico decidirá o melhor para cada caso.

 

Manter a saúde cardíaca em dia

Doenças cardíacas podem formar coágulos no sangue e levar ao AVC isquêmico. São exemplos de moléstias relacionadas ao derrame a fibrilação atrial crônica, que é quando o coração bate num ritmo anormal e irregular, e a trombose coronariana, na qual uma artéria é bloqueada por um coágulo. A fibrilação atrial costuma ser controlada com medicamentos anticoagulantes e a trombose coronariana, popularmente conhecida como infarto do miocárdio, com antiagregantes. “Sobreviventes de um infarto do miocárdio podem ter mais placas de gordura pelo corpo, que levam aos coágulos. Esses trombos podem causar tanto um novo infarto, quanto um AVC. A diferença entre os dois é a localização da obstrução arterial”, explica Álvaro Pentagna, neurologista do hospital São Luiz Itaim, em São Paulo.

Não fumar

Substâncias presentes no cigarro, como a nicotina, favorecem a degradação da parede arterial e, por isso, a formação de placas de gordura aderidas nos vasos. “Além disso, o cigarro tem componentes que promovem a coagulação, facilitando a formação de trombos e, consequentemente, do derrame”, explica o cirurgião vascular Caio Focássio.

 

Beber álcool com moderação

O consumo exagerado de álcool faz com que o organismo desenvolva distúrbios de coagulação, como a aterosclerose, atrapalhando a circulação sanguínea. “Beber muito álcool favorece hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e transtornos metabólicos que comprometem a circulação sanguínea cerebral, predispondo ao AVC”, diz a médica Elizabeth Batista, coordenadora de neurologia do hospital Barra D’Or, no Rio de Janeiro. A neurologista Adriana Conforto recomenda a dose máxima de álcool diária de 30 gramas para o homem (equivalente a duas latas de cerveja ou duas taças de vinho de 150 ml ou duas doses de uísque de 50ml) e 15 gramas para a mulher (metade dessas doses).

Ficar atenta à combinação entre anticoncepcional e enxaqueca com aura

O estrogênio, hormônio presente na pílula, estimula a formação de placas nas paredes dos vasos sanguíneos. Apenas o uso do anticoncepcional, porém, não eleva significativamente o risco do derrame. “Quando a mulher já tem um histórico de enxaquecas com aura, aquela que prejudica a visão nas crises, e toma anticoncepcional, precisa ficar atenta ao risco de AVC. Essas duas situações elevam a probabilidade de formação de coágulos”, explica o neurologista Álvaro Pentagna.

 

 

Fonte: Veja

 

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.