Notícias

Delação da Odebrecht aponta que Wagner recebeu US$ 12 mil

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico do governo estadual, Jaques Wagner (PT), teria recebido US$ 12 mil em vantagens indevidas, de acordo com a delação de seis executivos da Odebrecht. O ex-governador da Bahia foi citado pelo ex-presidente da empreiteira Marcelo Bahia Odebrecht e por Carlos José Fadigas de Souza Filho, Cláudio Melo Filho, Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, André Vital Pessoa de Melo e Benedicto Barbosa da Silva Júnior.

A informação consta na petição assinada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), que foi encaminhada para instâncias inferiores ao STF. Como Wagner – que também já foi ministro dos governos de Dilma Rousseff (2015/ 2016) e Luiz Inácio Lula da Silva (2013/ 2014 e 2005/ 2006) – não tem foro privilegiado, caberá à Procuradoria da República na Bahia avaliar se abre processo contra o petista.

Contudo, Fachin decidiu retirar o sigilo das citações referentes a Wagner na delação dos executivos da Odebrecht, divulgando parte do conteúdo na petição divulgada nesta terça, 11.

Eleição

De acordo com o Ministério Público, os US$ 12 mil foram uma contribuição para a campanha eleitoral de Wagner. “Tais pagamentos teriam sido motivados pela concessão de benefícios fiscais associados ao ICMS que teriam favorecido o grupo Odebrecht”, afirma Fachin, na petição com base nas delações.

O teor dos depoimentos ainda aponta que o petista teria recebido um relógio no valor de US$ 20 mil em 2010, fato que já tinha sido divulgado em dezembro de 2016. Na ocasião, o petista alegou que o relógio foi um presente de aniversário e que não tinha relação com política.

Os delatores também alegam que pagaram R$ 10 milhões para o ex-governador da Bahia nas eleições de 2014. Esse pagamento estaria relacionado à dívida da Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (CERB).

Wagner ainda não se pronunciou sobre a citação do seu nome na lista de Fachin. A assessoria da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE) informou que o gestor da pasta ainda não decidiu se vai se manifestar, mas cumpre normalmente a agenda de trabalho nesta quarta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.