Destaque

Datafolha: no 2º turno, Bolsonaro é derrotado por todos, menos Haddad

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O Datafolha divulgou na noite desta segunda-feira, 10, projeções para nove cenários de segundo turno na eleição presidencial, considerando os nomes dos candidatos Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede).

Conforme o instituto de pesquisas, Jair Bolsonaro, líder do levantamento no primeiro turno, com 24% das intenções de voto, seria derrotado por todos os candidatos na parte final do pleito, à exceção de Haddad, com quem empataria tecnicamente na margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

No segundo turno, quando a lógica do voto por exclusão ganha força, o desempenho eleitoral do deputado federal sofre influência de seu índice de rejeição, 43%, o mais alto entre os presidenciáveis. Mesmo após o atentado à faca sofrido por Bolsonaro na última quinta-feira, 6, a porcentagem de eleitores que responderam não votar nele de jeito nenhum aumentou 4 pontos percentuais.

Embora registrado como candidato a vice na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva, que teve a candidatura barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Fernando Haddad foi colocado pelo instituto de pesquisas entre os presidenciáveis porque deve ser ele o escolhido do PT para substituir o ex-presidente como candidato. A decisão deve ocorrer até esta terça-feira, 11.

Veja abaixo os cenários para o segundo turno pesquisados pelo Datafolha:

Em uma disputa entre Marina Silva e Jair Bolsonaro, a candidata da Rede tem 43% da preferência, ante 37% do deputado federal. Brancos e nulos somam 18% e eleitores que não souberam responder, 2%.

Quando o adversário de Bolsonaro é Geraldo Alckmin, o tucano aparece com 43% das intenções de voto contra 34% do candidato do PSL, com 20% de brancos e nulos e 3% de indecisos.

No cenário que considera uma disputa entre Ciro Gomes e Jair Bolsonaro, o pedetista tem 45% da preferência e o deputado, 35%. Brancos e nulos são 17% e 3% não souberam responder em quem votariam.

Se o adversário é Fernando Haddad, Bolsonaro fica numericamente atrás, 39% contra 38%, e ambos empatam dentro da margem de erro. Brancos e nulos somam 20% e indecisos, 3%.

Em uma disputa entre Ciro Gomes e Geraldo Alckmin, o ex-ministro tem 39% das intenções de voto, empatado tecnicamente com o ex-governador de São Paulo, com 35%. Brancos e nulos totalizam 23% e indecisos, 3%.

No cenário que opõe Ciro e Marina, o pedetista vence a líder da Rede Sustentabilidade por 41% a 35%. Brancos e nulos somam 35% e indecisos são 2%.

Considerando como candidatos no segundo turno Marina Silva e Geraldo Alckmin, ambos aparecem empatados dentro da margem de erro, com vantagem numérica para a ex-ministra: 38% a 37%. Brancos e nulos são 23% neste cenário; não souberam responder 2%.

Quando o adversário de Marina é Haddad, ela vence o petista por 42% a 31% das intenções de voto, com 25% de votos brancos e nulos e 3% de indecisos.

O ex-prefeito de São Paulo também seria derrotado por Geraldo Alckmin no segundo turno. O tucano aparece com 43% e o petista, com 29%. Brancos e nulos somam 25% neste cenário e 3% não souberam responder.