Saúde

Comer muito rápido engorda e faz mal para o coração

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Você é daqueles que come tão rápido que precisa esperar – com certa dose de paciência – os colegas a sua volta terminarem o prato? Pois saiba que, perto deles, você tem maior probabilidade de ver a cintura inflar e o coração sofrer. Pelo menos é o que indica um estudo recém-apresentado em evento da prestigiada Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês).

Para o trabalho, cientistas da Universidade Hiroshima, no Japão, recrutaram 642 homens e 441 mulheres de mais ou menos 51 anos. Em 2008, nenhum deles apresentava síndrome metabólica – conjunto de fatores que eleva o risco de doenças cardiovasculares, como hipertensão, diabetes e excesso de gordura ao redor do abdômen. Eles dividiram esse pessoal todo em três turmas, de acordo com a velocidade que cada um julgava comer: devagar, normal ou rápido.

Em cinco anos, os estudiosos perceberam que os apressados à mesa tinham um risco maior de desenvolver a tal síndrome metabólica do que quem comia num tempo normal: 11,6% contra 6,5%, respectivamente. Engolir a comida como se o mundo fosse acabar ainda foi associado a ganho de peso, cintura mais larga e altas taxas de glicose no sangue.

Em comunicado divulgado pela AHA, Takayuki Yamaji, principal autor do trabalho comentou o seguinte: “Ao comer rapidamente, as pessoas tendem a não sentir saciedade. Assim, ficam mais propensas a exagerar. Esse comportamento leva a uma maior flutuação de glicose, o que pode resultar em resistência insulínica”. Quando esse hormônio não funciona direito, o açúcar sobra na circulação – situação que abre brecha para o diabetes e os estragos associados ao quadro.

Dicas para refeições menos aceleradas

Prepare a mesa e evite distrações

Não precisa de requinte. Usar um jogo americano já dá vontade de passar mais tempo sentado. Só não vale ligar a tevê ou ficar mexendo no celular.

Envolva a família toda

Quem não mora sozinho deve buscar companhia para ficar em volta da mesa. Um bom papo tende a estender o tempo das garfadas – só não vale abusar delas.

Comece pela salada

E monte-a com itens mais duros (como a cenoura), que exigem mastigação. Ao chegar ao prato principal, o cérebro logo receberá o sinal de saciedade.

Descanse os talheres

Após cada garfada, repouse a faca e o garfo ao lado do prato. Ao segurá-los o tempo todo, a tendência é emendar uma abocanhada na outra, sem descanso.

Vá de alimentos sólidos

No início do treino para desacelerar a refeição, prefira ingredientes mais resistentes. Por exemplo: troque o purê pela batata.

Planeje suas refeições

Não é necessário ter horário fixo. Mas, se você já sabe como será seu dia, não custa reservar 20 minutos para se alimentar.