Notícias

CIA: Nordeste era peça-chave da Guerra Fria entre EUA e URSS

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Um relatório da CIA, a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, reporta que a região Nordeste brasileira era um território-chave em uma eventual invasão soviética nas Américas, de acordo com uma reportagem da BBC desta quinta-feira. O cenário hipotético descrito pela CIA é o seguinte: depois que a então União Soviética conquistasse todo o Leste Europeu, os russos avançariam para o Hemisfério Sul, mirando primeiramente a Austrália e nações africanas. Da África os comunistas partiriam para conquistar o território que seria a base para um ataque aos Estados Unidos: justamente o Nordeste do Brasil.

O texto está entre os 800.000 documentos confidenciais que se tornaram públicos depois de um processo movido por defensores do livre acesso à informação. Não é possível precisar exatamente a data do relatório, mas citações no texto indicam que ele foi escrito na década de 50, quando EUA e URSS realmente acreditavam que poderiam se enfrentar militarmente em breve.

A CIA aconselhou o governo americano a se aproximar do Brasil para impedir a infiltração de comunistas no território brasileiro. Para isso, a agência sugeriu a criação de um órgão de contrapropaganda para fazer frente à influência soviética presentes em “todo o país e em diferentes esferas do governo”. Na área econômica, a CIA sugeriu para Washington ajudar o Brasil a se desenvolver, pois o “atraso cultural” e a pobreza poderia ser terreno fértil para o comunismo se alastrar.

II Guerra Mundial — Admirador do ditador fascista italiano Benito Mussolini e simpatizante de algumas ideias de Adolf Hitler, o então presidente brasileiro Getúlio Vargas (que implantou a ditadura do Estado Novo entre 1937 e 1945) foi convencido a se aproximar dos EUA e se unir aos Aliados contra o Eixo, formado por Alemanha, Itália e Japão.

A aliança resultou na participação do Brasil na II Guerra Mundial (1939 – 1945) e em algumas benesses dos EUA ao Estado brasileiro, como investimentos no parque industrial e a construção de bases militares em Natal, no Rio Grande do Norte. O local serviu de base americana para operações na Ásia, África e Europa. Os EUA gostaram da experiência e a CIA defendeu uma nova aproximação com Brasília repelir a ameaça soviética. No fim do relatório, a agência afirma que Brasil e EUA “devem representar os últimos bastiões da liberdade, reafirmando a tradição histórica de aliados leais e sinceros”.