Política

Cenário nacional afetará disputa Rui Costa x ACM Neto na Bahia

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Apesar da provável vitória que o presidente Michel Temer (PMDB) conseguirá na Câmara dos Deputados na próxima quarta-feira, 2, durante a análise da denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República contra ele, o conturbado cenário político nacional permanecerá indefinido, na avaliação de políticos e analistas ouvidos pela equipe de A TARDE.

Esse fator, afirmam essas mesmas fontes, será decisivo na disputa pelo governo da Bahia em 2018, que deverá colocar frente a frente o governador do estado, Rui Costa (PT), e o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM).

De um lado, correligionários do petista indicam que a aposta no pleito será associar a imagem de Neto às reformas trabalhista e previdenciária, pautas que, na avaliação deles, “retiraram direitos dos mais pobres”.

Já aliados do democrata deixam escapar, nos bastidores, que ele tentará usar como capital político a administração aprovada pela população na capital baiana e o crescimento do DEM nacionalmente, processo consolidado a partir de uma articulação do próprio Neto e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, com parlamentares insatisfeitos de partidos como o PSB.

A influência do governo federal nas eleições sempre é grande na Bahia, historicamente…-Paulo Fábio Dantas, cientista político e professor da Ufba

“O fortalecimento parlamentar do DEM cria naturalmente um polo de aglutinação”, defende, por exemplo, o deputado federal Paulo Azi (DEM), figura próxima a Neto e a Maia.

Do outro lado, o secretário de Relações Institucionais do governo Rui e ex-presidente do PT na Bahia, Josias Gomes, prega que “o desmonte de políticas públicas e direitos consolidados terá reflexo grande na opinião pública” nas eleições.

Segunda denúncia

Para o cientista político e professor da Universidade Federal da Bahia (Ufba) Paulo Fábio Dantas Neto, um possível afastamento do presidente Michel Temer do cargo, que chegou a parecer favas contadas há algumas semanas, só ocorrerá se houver um fato novo, como uma segunda denúncia prometida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Entretanto, ainda que ocorra a substituição do presidente, pondera o especialista, o prefeito ACM Neto permanecerá na base do governo federal e o governador, na oposição – o que, para o cientista político, influencia no cenário local.

“A influência do governo federal nas eleições sempre é grande na Bahia, historicamente”, lembra Dantas. “Com uma queda de Temer, haverá mudanças de grau na relação de Neto com o Planalto, mas nada tão substancial”, avalia o estudioso.

Ele analisa, porém, que, no caso da ascensão do democrata Rodrigo Maia ao comando do país, Neto poderia sofrer “embaraços” com aliados como o PSDB, que, em troca de apoio nacional, poderia tentar negociar contrapartidas nos estados.

“Mas tudo isso é impossível de se adivinhar”, frisa o cientista político baiano.

Visitas ao interior

Presidente do DEM na Bahia, o deputado federal José Carlos Aleluia garante, apesar do cuidado do próprio prefeito da capital baiana em confirmar a candidatura, que Neto disputará o governo baiano.

O trabalho com vistas à eleição em 2018, também afirma o líder partidário, já está sendo feito em viagens ao interior da Bahia. Nessas visitas, de acordo com Aleluia, o prefeito democrata tem conversado com lideranças locais “e com o povo”. “Conversar com prefeito [das cidades do interior] não muda nada, tem que conversar é com o povo”, opina o deputado.

Eleições

 Ala petista deve associar Neto às reformas. Oposição foca na administração do prefeito e crescimento do DEM

Homem-forte da articulação política de Rui durante os dois primeiros anos de mandato, Josias Gomes evita associar as viagens feitas pelo governador à campanha do ano que vem. Segundo ele, o “tour” pelo interior não é de agora.

“Tem sido assim desde o começo, pois o governador é incentivador da interiorização das políticas”, diz ele.

Conspiração

Para o secretário petista, “é indiferente” quem estará no comando do país em 2018. “O que nós defendemos são eleições diretas, o retorno da normalidade democrática. Por que tirar um golpista e botar outro? Não muda nada, se eles têm o mesmo propósito de reformas contra a população”, critica.

Enquanto isso, a tese de que a ascensão do DEM à presidência, com a figura de Rodrigo Maia, beneficiaria Neto não é bem aceita no Palácio Thomé de Souza . É o que dizem ao A TARDE fontes próximas ao prefeito.

Para evitar acusações de conspiração contra Temer, o democrata baiano tem sido “cuidadoso”, nas palavras de um dos conselheiros. Apesar disso, tem dialogado com Maia, pensando no fortalecimento do partido. “Neto só quer a governabilidade do país e dinheiro para Salvador”, disse o aliado, sob condição de anonimato.

Cotado como possível vice-presidente na chapa que disputará o Palácio do Planalto em 2018, ele descarta a possibilidade, segundo interlocutores. Políticos próximos, entretanto, comemoram o fato, dizendo que “Salvador se tornou vitrine para o DEM no país”.

O deputado Paulo Azi defende Neto como “um nome forte” para a disputa pelo governo do estado no próximo ano. “O prefeito já é uma liderança nacional, reconhecido como grande político, e, em nível estadual, é a principal liderança desse campo que deseja que ele faça na Bahia o que fez na capital”, afirma Azi.

Para o petista Josias Gomes, no entanto, há uma “avaliação enganada” de que figuras locais não serão afetadas eleitoralmente por apoiarem “políticas que não agradam à população”.