Política

Caso Fabrício Queiroz: o que é, cronologia dos fatos, personagens

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Ex-motorista e ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro começou amizade com família do presidente nos anos 80.

Nesta quinta-feira (17), mais um capítulo envolvendo Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-motorista e ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro, ganhou destaque. Flávio Bolsonaro obteve uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender as investigações sobre as movimentações envolvendo seu ex-funcionário.

Elas envolvem um relatório do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), que apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O documento revelou a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz.

Veja abaixo o que já se sabe sobre Queiroz:

Década de 80: Amizade de Queiroz e Bolsonaro

Fabrício Queiroz e Jair Bolsonaro se tornam amigos nos anos 80. Os dois podem ser vistos juntos em momentos de lazer em algumas imagens publicadas em redes sociais, que mostram Queiroz pescando com Bolsonaro.

A amizade antiga chegou a ser citada pelo atual presidente durante uma coletiva de impresa em um evento da Marinha. Na ocasião, ele disse que era amigo de Queiroz há muitos anos e que já o auxiliou com empréstimos algumas vezes porque o ex-assessor do filho estava com problemas financeiros. Segundo Bolsonaro, Fabrício Queiroz devia R$ 40 mil.

O presidente eleito Jair Bolsonaro durante entrevista na Escola Naval da Marinha, no Rio — Foto: Patricia Teixeira / G1

O presidente eleito Jair Bolsonaro durante entrevista na Escola Naval da Marinha, no Rio — Foto: Patricia Teixeira / G1

Anos 2000: segurança e motorista de Flávio

Durante os anos 2000, Fabrício trabalhou por mais de dez anos como segurança e motorista de Flávio Bolsonaro, o filho mais velho do presidente. Queiroz recebia da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) um salário de R$ 8.517 e acumulava rendimentos mensais de R$ 12,6 mil da Polícia Militar. Ele foi exonerado do gabinete de Flávio na Alerj em outubro de 2018.

Nathalia Mello de Queiroz, filha de Queiroz de 29 anos, também foi funcionária de Flávio Bolsonaro entre 2007 e 2016. Menos de uma semana depois de ser exonerada, em dezembro de 2016, foi nomeada para o cargo de secretária parlamentar de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Além de Nathalia, a mulher de Fabrício, Márcia Oliveira de Aguiar, e outra filha dele, Evelyn Mello de Queiroz, trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro.

Márcia aparece na folha de pagamento da Alerj de agosto de 2017 como consultora parlamentar e salário de R$ 9,2 mil. Evelyn foi nomeada em dezembro de 2016 como assessora parlamentar, na vaga da irmã Nathalia. Na última folha de pagamento, o salário dela é de R$ 7,5 mil.

2016 e 2017: movimentações suspeitas

Ex- assessor e ex-motorista de Flávio Bolsonaro movimentou em uma conta o total de R$ 1.236.838 entre 1º de janeiro de 2016 e 31 de janeiro de 2017. Durante esse período, Queiroz, de acordo com apontamentos do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), fez saques em espécie no total de R$ 324.774, e teve R$ 41.930 em cheques compensados.

Na época, um dos favorecidos foi a ex-secretária parlamentar, atual mulher do presidente eleito, Jair Bolsonaro, Michele de Paula Firmo Reinaldo Bolsonaro, que recebeu cheque no valor de R$ 24 mil.

O presidente eleito Jair Bolsonaro negou qualquer irregularidade nos depósitos realizados na conta da mulher dele, Michele de Paula Bolsonaro, por Fabrício José Carlos de Queiroz.

‘Ninguém recebe ou dá dinheiro sujo com cheque nominal’, justificou Bolsonaro”.

Dezembro de 2018: relatório do Coaf

No fim de 2018, foi divulgado o relatório do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), que apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O documento revelou a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de um ex-motorista e ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL).

O caso Queiroz veio à tona a partir da investigação iniciada com a Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, que analisa a ação de deputados estaduais da Assembleia Legislativa (Alerj) em contratos.

19 e 21 de dezembro: ausência em audiências

Na tarde de 19 de dezembro, Queiroz era aguardado para prestar depoimento no Ministério Público sobre suas movimentações bancárias atípicas. Foi a primeira vez em que ele não comparaceu ao órgão.

Naquela ocasião, seus advogados afirmaram que “não tiveram tempo hábil para analisar os autos da investigação” e solicitaram cópias dos documentos, além de terem justificado a ausência de Fabrício ao órgão por conta de uma “inesperada crise de saúde”.

Dois dias depois, Queiroz voltaria a deixar os promotores esperando. Pela segunda vez, ele não compareceu ao depoimento. Naquele dia, o advogado do investigado compareceu à sede do MP, às 14h, para informar que seu cliente precisou ser internado, “para realização de um procedimento invasivo com anestesia”.

Fabricio Queiroz durante entrevista ao SBT — Foto: Reprodução/SBT

Fabricio Queiroz durante entrevista ao SBT — Foto: Reprodução/SBT